É falso que Lula visitou sede da Gaviões da Fiel no dia de protesto contra Bolsonaro

Por Luiz Fernando Menezes

2 de junho de 2020, 13h47


Não é verdade que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) esteve na sede da torcida Gaviões da Fiel no domingo (31), momentos antes do protesto contra Jair Bolsonaro que reuniu integrantes da organizada do Corinthians. O vídeo usado em publicações nas redes sociais que trazem a falsa alegação (veja aqui) foi gravado em novembro de 2019, quando o petista recebeu torcedores corintianos no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC.

No Facebook, publicações que usam o vídeo para disseminar a informação enganosa reuniam ao menos 30 mil compartilhamentos nesta terça-feira (2) e foram marcados com o selo FALSO na ferramenta de verificação da rede social (saiba como funciona).


FALSO

Um vídeo de novembro de 2019 em que o ex-presidente Lula é presentado com uma camisa da Gaviões da Fiel, torcida organizada do Corinthians, tem sido compartilhado nas redes sociais como se fosse um registro do último domingo (31), antes do protesto contra Jair Bolsonaro que reuniu torcedores do time paulista. As publicações sugerem, de maneira enganosa, que o petista teria incitado a mobilização contra o governo federal.

Em 9 de novembro do ano passado, o ex-presidente recebeu integrantes da torcida organizada na sede do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC. Naquele dia, Corinthians e Palmeiras se enfrentaram no Campeonato Brasileiro em um jogo que terminou empatado.

No último domingo (31), membros da Gaviões da Fiel e da Mancha Verde, organizada do Palmeiras, além de torcedores de outros clubes paulistanos fizeram um protesto contra o presidente Jair Bolsonaro na avenida Paulista. O ato, promovido ao mesmo tempo de uma mobilização governista, acabou em confronto com a polícia após provocações feitas por manifestantes que portavam uma bandeira da Ucrânia hoje associada a grupos neonazistas.

À Folha de S.Paulo, os presidentes da Gaviões e da Mancha Verde disseram que as manifestações de domingo não foram convocadas pelas respectivas diretorias. Rodrigo Tapia, da Gaviões da Fiel, afirmou que a torcida organizada não pode levantar bandeiras porque abriga membros de diferentes ideologias e que apoiar as manifestações “ia machucar algumas pessoas também que gostam do Bolsonaro".

Referências:

1. UOL (Fontes 1 e 2)
2. Folha de S.Paulo