É falso que Lula minimizou assassinatos cometidos por menores em declaração de 2015

Por Luiz Fernando Menezes

11 de maio de 2020, 18h21


Não é verdade que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) tenha minimizado a morte de pessoas assassinadas por menores de idade ao se posicionar contra a redução da maioridade penal em 2015. Publicações que circulam nas redes sociais (veja aqui) afirmam que, à época, o petista teria dito que "quem morreu, morreu, não volta mais”. O Aos Fatos, no entanto, não encontrou nenhum registro de que o ex-presidente tenha proferido tal frase. O que ele defendeu em discurso naquele ano foi que o governo não iria acabar com a violência colocando jovens na cadeia, mas oferecendo oportunidades e educação.

A mesma frase foi atribuída a Lula na época da campanha eleitoral de 2018. Agora, a desinformação volta a ser compartilhada por publicações que afirmam que, se ela tivesse sido proferida por Bolsonaro, teria tido grande repercussão na imprensa.

Difundida por páginas e perfis pessoais no Facebook, a publicação acumulava mais de 10 mil compartilhamentos até a tarde desta segunda-feira (11). Todas as postagens foram marcadas com o selo FALSO na ferramenta de monitoramento da última rede social (saiba como funciona).


FALSO

Lula: ‘Sou totalmente contra prender menor que mata pessoas. Devemos colocá-lo na escola para reeducá-lo. Quem morreu, morreu, não volta mais. Agora deixar preso um moleque só porque ele matou sou contra.’

Voltou a circular nas redes sociais uma peça de desinformação que traz uma declaração atribuída ao ex-presidente Lula que minimiza os assassinatos cometidos por menores de idade. Segundo as publicações, em 2015, o petista teria dito ser contra prender menor que mata: "Devemos colocá-lo na escola para reeducá-lo. Quem morreu, morreu não volta mais". O Aos Fatos, porém, não encontrou qualquer registro de que o petista tenha dado tal declaração. A assessoria de imprensa do ex-presidente também negou que ele tenha dito o que tem sido propagado nas peças de desinformação.

Segundo as publicações, a declaração teria sido dada em julho de 2015. Naquela época, Lula de fato falou sobre maioridade penal em discurso na FUP (Federação Única dos Petroleiros), mas não minimizou os assassinatos cometidos por menores. Contrário à redução da maioridade, Lula disse que o Estado não tem cumprido suas obrigações com os jovens e que colocá-los na cadeia não vai resolver o problema da violência:

"Por que o Congresso Nacional quer jogar nas costas de um menino de 16 anos a responsabilidade de coisas que o governo não faz? Será que o Estado brasileiro cumpriu com as obrigações com os jovens de 16, 17 anos? Será que nós oferecemos a educação necessária? Nas cidades, no Estado. Será que nós tiramos a oportunidade para esses jovens terem opção? (...) Então o Estado que não cumpriu com as suas obrigações resolve então que vamos acabar com a violência colocando moleque na cadeia. Olha, eu sei que é um tema que se for para plebiscito, possivelmente ganha para colocar, como ganha a pena de morte se for votada em plebiscito. Mas o Estado tem que ter responsabilidade se ele tá cumprindo com a sua obrigação. E eu acho que essa meninada está precisando de oportunidade. Não apenas eles, as famílias deles. E não de cadeia. Tem violência? Tem. Todo mundo sabe que tem violência. Mas de quem é a culpa?"

O Aos Fatos também procurou pela suposta declaração do ex-presidente em outras ocasiões, mas não encontrou nada semelhante.

Narrativa de desinformação. A mesma peça de desinformação circulou nas redes sociais durante as eleições de 2018, quando foi checada pelo Projeto Comprova. Naquela época, a declaração circulava nas redes com a logotipo da revista Época. A publicação de fato noticiou o discurso de Lula na FUP, mas não trouxe a declaração citada nas postagens falsas.

A falsa atribuição da frase a Lula voltou a circular em um contexto em que o presidente Jair Bolsonaro tem reiteradamente minimizado as mortes decorrentes da Covid-19 no Brasil. Segundo a versão recente da peça de desinformação, se o presidente tivesse dito a mesma frase que Lula, haveria grande repercussão na imprensa.

Referências:

1. G1
2. Comprova
3. Época
4. Aos Fatos