É falso que Globo admitiu em reportagem que urnas eletrônicas podem ser fraudadas

Compartilhe

Não é verdade que a rede Globo admitiu a possibilidade de fraude nas urnas eletrônicas em uma reportagem de 2008, conforme alegam postagens nas redes sociais (veja aqui). O vídeo nos posts traz apenas um trecho de uma denúncia mostrada pelo Fantástico naquele ano sobre uma quadrilha que prometia manipular o resultado das eleições e suprime as partes em que o então presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) e especialistas desmentem que os golpistas tenham conseguido fraudar as máquinas.

O vídeo editado foi publicado inicialmente no TikTok pelo deputado estadual Bruno Engler (PRTB-MG), mas tem sido disseminado no Facebook, plataforma onde já contabiliza ao menos 84.100 compartilhamentos nesta terça-feira (31) e foi marcado com o selo FALSO na ferramenta de verificação (Saiba como funciona).


Tem circulado nas redes sociais uma edição deturpada de uma reportagem do Fantástico que insinua que as urnas eletrônicas seriam suscetíveis a fraudes. O conteúdo original, de 2008, tem cinco minutos e denuncia uma quadrilha que dizia conseguir manipular o resultado das eleições. Já o vídeo das postagens, editado, tem dois minutos e suprime as falas de quem garante ser impossível aplicar o golpe.

A versão disseminada nas redes começa com o então apresentador Zeca Camargo explicando o caso: um homem afirma que, por R$ 2 milhões, elege quem ele quiser em qualquer cidade brasileira. Depois aparecem as cenas gravadas, com câmera escondida, em que o esquema é detalhado pelo golpista. O vídeo termina com a afirmação do vigarista de que a manipulação dos votos é feita no dia da eleição, com as senhas do presidente e de outros integrantes do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) que ele havia hackeado.

No vídeo original, na sequência, aparece o então presidente da corte eleitoral, o ex-ministro Carlos Ayres Britto, afirmando ainda nem existir uma senha que fosse sua. Um minuto depois, um especialista em urnas eletrônicas chamado Fabiano Essel, professor de matemática da PUC-RS (Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul) comenta que é “praticamente impossível” fraudar uma eleição.

“Em poucas horas, ou mesmo em alguns meses, ele não conseguiria quebrar a senha criptografada, precisaria de um parque computacional com uma capacidade extremamente grande para quebrar a senha criptografada e ter acesso ao sistema”, afirma. No fim, também é mostrado um golpista fugindo ao ser abordado pela equipe da emissora.

A Rede Globo informou, por email, que a reportagem original foi exibida no programa Fantástico no dia 17 de agosto de 2008 e que ela não faz nenhuma afirmação sobre ser possível fraudar urnas eletrônicas. O material completo, que está disponível em uma checagem do Fato ou Fake, do G1, contém a explicação de que se trata de um golpe que não tem como ser praticado.

A possibilidade de fraude eleitoral tem aparecido de forma recorrente nos discursos do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e já foi checada como desinformação por Aos Fatos em diversas ocasiões. Entretanto, não há registros de adulteração de urnas, conforme já foi explicado em reportagem sobre o funcionamento dos equipamentos.

O Aos Fatos entrou em contato com o deputado estadual mineiro Bruno Engler, mas não obteve retorno até a publicação da checagem. O vídeo editado também foi checado pela Agência Lupa e pelo Estadão.

Referências

  1. Aos Fatos
  2. G1

Compartilhe

Leia também

Ações clandestinas da ‘Abin paralela’ realçam violências reais

Ações clandestinas da ‘Abin paralela’ realçam violências reais

falsoIdosa foi presa por tráfico, não por participar dos atos golpistas do 8 de Janeiro

Idosa foi presa por tráfico, não por participar dos atos golpistas do 8 de Janeiro

falsoLula devolveu 423 presentes recebidos durante mandatos anteriores

Lula devolveu 423 presentes recebidos durante mandatos anteriores