É falso que Estados Unidos baniram testes RT-PCR a partir de 1º de janeiro de 2022

Compartilhe

Não é verdade que os Estados Unidos baniram os testes que usam o método RT-PCR para diagnosticar o novo coronavírus a partir de 1º de janeiro de 2022, como alegam postagens nas redes (veja aqui). Na verdade, o CDC (Centers for Disease Control), órgão de saúde do governo americano, recomendou aos laboratórios do país a adoção de um novo modelo de exame, também com a tecnologia RT-PCR, mas capaz de detectar os vírus influenza A e B além do novo coronavírus, para economizar tempo e recursos.

As publicações com o conteúdo enganoso somavam centenas de compartilhamentos nesta quarta-feira (5) no Facebook.


Selo falso

1. Urgente! Estados Unidos banem o teste RT-PCR a partir de hoje, 01/01/2022. O órgão americano conhecido como CDC, Centers for disease control and prevention, por sua DSL, Division of Laboratory Systems, excluiu o teste Covid RT-PCR para detecção do vírus. Segundo o CDC, ...

Circulam nas redes sociais publicações que afirmam que os Estados Unidos baniram o teste RT-PCR para detectar o novo coronavírus em 1º de janeiro deste ano. A alegação, no entanto, distorce o conteúdo de um comunicado feito em julho de 2021 em que o CDC, órgão de saúde dos EUA, recomendou aos laboratórios americanos a substituição de um teste específico (2019-nCoV), não de todos os testes para a doença que usam o método RT-PCR.

A autoridade indicou o uso de um novo exame, chamado CDC Influenza SARS-CoV-2 (Flu SC2) Multiplex Assay, que também usa a tecnologia RT-PCR, mas tem a capacidade de identificar também, além do novo coronavírus, os vírus influenza A e B. Na ocasião, o CDC avisou que solicitaria à FDA (Food and Drug Administration, agência reguladora de medicamentos e alimentos dos EUA) que o teste 2019-nCoV, capaz de detectar somente o novo coronavírus, fosse retirado da lista de exames com autorização de uso emergencial.

Isso indica, na prática, que apenas o 2019-nCov seria aposentado em 31 de dezembro de 2021. Em agosto, o órgão informou que a decisão foi tomada visando uma economia de recursos e tempo, e não por uma suposta ineficácia do exame. Aos Fatos entrou novamente em contato com o CDC, que reiterou as informações.

O RT-PCR é o teste considerado “padrão-ouro” por autoridades sanitárias brasileiras, como a ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar) e a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), e internacionais, como o ECDC (Centro Europeu de Prevenção e Controle das Doenças). O exame é capaz de detectar o material genético do coronavírus na fase aguda da doença – a partir do terceiro dia de sintomas – em amostra da mucosa da nasofaringe (nariz e garganta) obtida por meio de swab (cotonete).

Pouco depois de o CDC anunciar a recomendação do exame que identifica o novo coronavírus e os vírus influenza A e B, o Aos Fatos também checou uma peça de desinformação que alegava que a medida tinha sido tomada porque o RT-PCR seria ineficaz, o que é falso.


Aos Fatos integra o Third-Party Fact-Checking Partners, o programa
de verificação de fatos da Meta. Veja aqui como funciona a parceria.


De acordo com nossos esforços para alcançar mais pessoas com informação verificada, Aos Fatos libera esta reportagem para livre republicação com atribuição de crédito e link para este site.

Referências

  1. CDC (1, 2 e 3)
  2. ANS
  3. Anvisa
  4. ECDC
  5. UOL
  6. Aos Fatos

Compartilhe

Leia também

falsoVídeo é editado para fazer crer que família Bolsonaro apoia pré-candidatura de Pablo Marçal

Vídeo é editado para fazer crer que família Bolsonaro apoia pré-candidatura de Pablo Marçal

falsoPosts usam foto de outra pessoa para sugerir que autor de atentado contra Trump era trans

Posts usam foto de outra pessoa para sugerir que autor de atentado contra Trump era trans

Pré-candidato, Marçal oferece prêmio a seguidores e especialistas veem infração eleitoral

Pré-candidato, Marçal oferece prêmio a seguidores e especialistas veem infração eleitoral