🕐 Esta reportagem foi publicada há mais de seis meses

É falso que Doria vendeu empresas à China

Por Priscila Pacheco

17 de setembro de 2020, 13h37

Não é verdade que o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), vendeu diversas empresas para a China, como afirma peça de desinformação que tem sido disseminada nas redes sociais (veja aqui). A postagem lista companhias públicas ou de capital misto, como a CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) e a Sabesp (Companhia de Saneamento Básico de São Paulo), e empresas privadas, como as emissoras de TV Band e CNN Brasil. O Aos Fatos contatou as empresas e verificou que nenhuma delas foi vendida ao país asiático.

A CTPM continua pública e a Sabesp ainda tem como acionista majoritário o governo do estado. Já a Comgás e as emissoras não têm participação do governo. O Aos Fatos não encontrou nenhuma empresa chamada ANEL nem qual é a mineradora mencionada na postagem. De todo modo, é citado que a atividade de mineração ocorreria em Minas Gerais, estado que não é governado por Doria.

No Facebook, a postagem reunia centenas de compartilhamentos nesta quinta-feira (17) e foi marcada com o selo FALSO na ferramenta de verificação (saiba como funciona).


FALSO

Enquanto o povo se preocupa só com a Covid-19 vendo na Globo esquecem da China que já comprou através do Doria a SABESP, CPTM, Comgas, ANEL, Mineradora de extração de ferro em Minas Gerais, TV Band, CNN.

Publicações que circulam nas redes sociais enganam ao dizer que o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), vendeu para a China empresas como a Sabesp (Companhia de Saneamento Básico de São Paulo), a CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos), a Comgás e as emissoras Band e CNN Brasil. Em e-mail enviado ao Aos Fatos, a Secretaria Especial de Comunicação do Governo do Estado negou que a Sabesp e a CPTM, que têm participação do governo, tenham sido vendidas. As demais empresas citadas são privadas.

A Sabesp é uma empresa de economia mista que tem como maior acionista o governo do estado de São Paulo. Apesar de, em janeiro, ter sido noticiado que o grupo China Railway Construction Corporation tinha interesses na entidade, não houve nenhum tipo de venda, e o governo estadual continua sendo dono de 50,26% das ações.

A CPTM é uma companhia pública criada pela lei nº 7.861, de 1992. O governo pretende entregar à iniciativa privada a concessão de duas das sete linhas de trem e chegou a fazer uma audiência pública sobre o assunto no dia 28 de fevereiro. No entanto, o processo foi interrompido com a pandemia de Covid-19. Segundo a CPTM, um novo cronograma será divulgado assegurando prazo adequado, no mínimo 120 dias, para que proponentes nacionais e internacionais possam demonstrar interesse em participar do leilão para a concessão de 30 anos.

Por fim, as outras empresas não têm vínculo de comando com o governo. A Comgás, por exemplo, é uma empresa privada que possui a concessão da distribuição de gás canalizado em municípios do estado de São Paulo. Sua maior acionista é a Compass Gás & Energia, empresa do grupo brasileiro Cosan.

A Band faz parte do grupo paulista Bandeirantes, fundado por João Jorge Saad em 1967, que continua sendo presidido pela mesma família. Em 2019, foi feito um acordo de cooperação com a China Media Group para produções conjuntas e compartilhamento de conteúdo entre os países. No entanto, não há negociações de venda, conforme disse a assessoria de imprensa do grupo Bandeirantes por telefone e e-mail.

Além disso, A lei 10.610, de 2002, limita o investimento de capital estrangeiro em até 30% do capital total e votante em empresas jornalísticas e de radiodifusão sonora e de sons e imagens no Brasil. A Band tem sido alvo de peças de desinformações que falam sobre a venda há alguns meses.

Já a CNN Brasil entrou no ar em março e tem as ações divididas entre o empresário Rubens Menin (65% do controle acionário) e Douglas Tavolaro (35%), que foi vice-presidente de jornalismo da Record. A emissora não respondeu ao Aos Fatos se possui algum tipo de acordo com chineses.

A peça de desinformação também cita uma empresa chamada ANEL, mas o Aos Fatos não encontrou nenhuma companhia com esse nome. A peça de desinformação também não cita o nome da mineradora a qual se refere em Minas Gerais, estado que não é governado por Doria.

A postagem também foi checada por Boatos.org.

Referências:

1. Sabesp
2. Bloomberg
3. Estadão
4. CPTM (Fontes 1, 2 e 3)
5. Assembleia Legislativa de São Paulo
6. Comgas
7. Compass
8. BM&FBOVESPA (Fontes 1, 2 e 3)
9. FGV
10. Planalto
11. Band
12. UOL
13. Poder 360
14. Boatos.org


De acordo com nossos esforços para alcançar mais pessoas com informação verificada, Aos Fatos libera esta reportagem para livre republicação com atribuição de crédito e link para este site.

Usamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concordará com estas condições.