É falso que diretor-geral da OMS afirmou que não recomenda Carnaval em 2022

Por Luiz Fernando Menezes

22 de novembro de 2021, 15h53

Não é verdade que o diretor-geral da OMS (Organização Mundial da Saúde), Tedros Ghebreyesus, afirmou que não recomenda a realização de Carnaval em 2022, como alegam postagens nas redes sociais (veja aqui). Além da entidade ter desmentido a existência da fala, Aos Fatos não encontrou registro de tal declaração do executivo. A OMS orienta de maneira geral que se evite grandes aglomerações, mas considera que a decisão de manter o calendário de festas populares deve ser tomada pelos próprios países.

Esta alegação enganosa acumulava mais de 25 mil compartilhamentos nesta segunda-feira (22) em posts no Facebook.


Selo falso

Postagens nas redes sociais enganam ao afirmar que o diretor-geral da OMS (Organização Mundial da Saúde), Tedros Ghebreyesus, disse não recomendar Carnaval em 2022. De acordo com a entidade, o executivo nunca orientou que se cancelasse o evento. Tampouco há registros de fala similar a essa na imprensa e nos discursos oficiais de Ghebreyesus.

A única menção a carnaval e pandemia de Covid-19 em conferências da OMS foi feita por outro membro da diretoria, Sylvain Aldighieri, em abril de 2021. Na ocasião, ele afirmou que os eventos realizados na América do Sul entre o final de 2020 e início de 2021 (Natal, Ano Novo, Carnaval e Páscoa) foram acompanhados do relaxamento das medidas sanitárias, o que levou a “um aumento de casos e mortes que poderia ter sido evitado”.

Em seu site, a OMS afirma que, “como cada aglomeração internacional é diferente, os fatores a serem considerados ao determinar se o evento deve ser cancelado também podem ser diferentes. Qualquer decisão de alterar um evento planejado deve ser baseada em uma avaliação cuidadosa dos riscos e como eles podem ser gerenciados, e o nível de planejamento do evento”.

De maneira geral, a OMS recomenda ainda que países com transmissão comunitária - como o Brasil - devem considerar o adiamento ou redução de aglomerações com potencial para amplificar a doença. Em agosto de 2021 e no último dia 4 de novembro, a entidade publicou documentos em que afirma que grandes reuniões de pessoas, caso aprovadas pelas autoridades, devem aplicar medidas de proteção e prevenção para diminuir o risco de Covid-19, como uso de máscaras, distanciamento social e preferência por locais abertos.

Referências:

1. OMS (1, 2, 3, 4 e 5)
2. Twitter (@DrTedros)


Aos Fatos integra o Third Party Fact-Checking Partners, o programa
de verificação de fatos da Meta. Veja aqui como funciona a parceria.


De acordo com nossos esforços para alcançar mais pessoas com informação verificada, Aos Fatos libera esta reportagem para livre republicação com atribuição de crédito e link para este site.

Usamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concordará com estas condições.