É falso que CEO da BioNTech não foi vacinado contra Covid-19

Por Priscila Pacheco

21 de dezembro de 2021, 11h41

Não é verdade que Ugur Sahin, CEO da BioNTech, empresa alemã que desenvolveu a vacina contra Covid-19 juntamente com a Pfizer, não foi vacinado. Publicações que circulam nas redes sociais (veja aqui) compartilham como se fosse recente uma entrevista de dezembro de 2020 na qual o empresário diz que ainda não foi imunizado porque não fazia parte do grupo prioritário de vacinação na Alemanha. Sahin tomou as duas doses da vacina no início de 2021 e publicou o registro de uma delas em seu perfil no LinkedIn.

As postagens enganosas reuniam ao menos centenas de compartilhamentos nesta terça-feira (21).


Selo falso

Publicações nas redes sociais compartilham uma entrevista de Ugur Sahin, CEO da BioNTech, de dezembro de 2020 para sustentar que ele não tomou a vacina contra Covid-19 desenvolvida pela empresa em conjunto com a Pfizer. Segundo a assessoria de imprensa da BioNTech, Sahin tomou as duas doses no início de 2021.

Em sua conta no LinkedIn, o empresário também desmentiu a desinformação e, além de postar uma foto do momento da imunização, relatou que já tomou a dose de reforço e que foi imunizado com a vacina da Pfizer/BioNTech.

O vídeo que tem sido compartilhado é um trecho de uma entrevista do empresário à emissora alemã Deutsche Welle veiculada em 22 de dezembro de 2020. A Alemanha, onde vive o médico, começou a vacinar a sua população apenas quatro dias depois, em 26 de dezembro de 2020.

Na época, a prioridade do país era vacinar residentes de casas de repouso, idosos com mais de 80 anos de idade e profissionais de saúde com alta exposição ao Sars-CoV-2, vírus que causa a Covid-19. Ao ser questionado na entrevista se tinha sido imunizado, Sahin, que tinha na ocasião 55 anos, disse que não fazia parte do grupo prioritário.

“Legalmente eu não estou autorizado a tomar a vacina nesse momento. (...) Porque, você sabe, existe uma prioridade. Não é permitido tomar a vacina fora dessa prioridade”, respondeu ao jornalista. Nas postagens enganosas, a legenda destaca em amarelo e vermelho a fala “eu não estou legalmente autorizado a tomar a vacina” e sobre ao áudio original é sobreposta uma música, o que impede que a resposta de Sahin seja escutada e compreendida integralmente.

No último dia 9 de dezembro, a Deutsche Welle relatou que o seu vídeo antigo estava sendo veiculado fora de contexto. As peças de desinformação também foram checadas pela Reuters, pela AFP e pela Lupa.

Referências:

1. LinkedIn Ugur Sahin
2. Deutsche Welle (Fontes 1, 2, 3, 4, 5 e 6)


Aos Fatos integra o Third-Party Fact-Checking Partners, o programa
de verificação de fatos da Meta. Veja aqui como funciona a parceria.


De acordo com nossos esforços para alcançar mais pessoas com informação verificada, Aos Fatos libera esta reportagem para livre republicação com atribuição de crédito e link para este site.

Usamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concordará com estas condições.