É falso que antigripais contenham substância mortal proibida pela Anvisa

Compartilhe

Uma corrente que circula no WhatsApp desinforma ao sugerir que a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) baniu recentemente a fenilpropanolamina, substância que estaria presente em 22 medicamentos, principalmente antigripais (veja aqui). Na verdade, foi há quase 20 anos que a agência reguladora proibiu a substância no país por conta de reações adversas, como hemorragias cerebrais.

A desinformação tem sido difundida por meio do WhatsApp, onde não é possível medir com exatidão o seu alcance, e foi enviada por leitores do Aos Fatos como sugestão de checagem (inscreva-se aqui). No Facebook, posts com a informação falsa reuniam ao menos 1.300 compartilhamentos nesta segunda-feira (27) e foram marcados com o selo FALSO na ferramenta de verificação da rede social (entenda como funciona).


FALSO

A substância fenilpropanolamina não está presente em 22 medicamentos comercializados hoje, principalmente antigripais, como afirma uma corrente que circula nas redes. Com informações antigas e descontextualizadas, o texto sugere que o composto, que causa efeitos fatais, foi banido apenas recentemente pela Anvisa. No entanto, a proibição da substância pela agência ocorreu há quase 20 anos por meio da Resolução RDC 96/2000.

Publicada no dia 8 de novembro de 2000, a resolução estabeleceu que os laboratórios teriam 30 dias para retirar os medicamentos de circulação no Brasil. Desde então, nenhum remédio com ela é vendido no Brasil. De maneira distorcida, no entanto, as informações sobre a proibição circula no Facebook desde 2010 e já foi desmentida pela Anvisa em 2017 por meio de nota divulgada em seu site.

A fenilpropanolamina fazia parte de medicamentos como descongestionantes nasais, antigripais e expectorantes até a FDA (Food and Drug Administration, agência reguladora de alimentos e medicamentos dos Estados Unidos) constatar que ela estava relacionada a casos de hemorragia cerebral. Alguns anos depois, o composto também foi proibido no mercado americano.

Checagens similares da mesma desinformação foram feitas pelo Fato ou Fake no ano passado e pelo Boatos.org neste ano e em 2016.

Referências:

1. Anvisa (Fontes 1 e 2)
2. Terra
3. FDA (Fontes 1 e 2)

Compartilhe

Leia também

falsoVídeo é editado para fazer crer que família Bolsonaro apoia pré-candidatura de Pablo Marçal

Vídeo é editado para fazer crer que família Bolsonaro apoia pré-candidatura de Pablo Marçal

falsoPosts usam foto de outra pessoa para sugerir que autor de atentado contra Trump era trans

Posts usam foto de outra pessoa para sugerir que autor de atentado contra Trump era trans

Pré-candidato, Marçal oferece prêmio a seguidores e especialistas veem infração eleitoral

Pré-candidato, Marçal oferece prêmio a seguidores e especialistas veem infração eleitoral