É falsa tabela com cronograma de lançamento de variantes do novo coronavírus

Compartilhe

Não é verdade que a OMS (Organização Mundial da Saúde), a universidade americana Johns Hopkins e o Fórum Econômico Mundial criaram um cronograma de lançamento das próximas variantes do novo coronavírus, como sustentam postagens nas redes sociais (veja aqui). A tabela é falsa e não existe previsão similar, de acordo com as três instituições. O surgimento de novas cepas é um fenômeno natural e imprevisível, consequência de mutações do Sars-CoV-2, afirmam especialistas ouvidos por Aos Fatos.

Este conteúdo enganoso acumulava ao menos centenas de compartilhamentos no Facebook nesta quarta-feira (1).


Selo falso

Postagens nas redes sociais enganam ao disseminar como verdadeira uma tabela atribuída à OMS (Organização Mundial da Saúde), à Universidade Johns Hopkins e ao Fórum Econômico Mundial com datas de lançamento de novas variantes do Sars-CoV-2, vírus causador da Covid-19. As três instituições negaram a veracidade do conteúdo e disseram não manter levantamentos do tipo (confira aqui, aqui e aqui).

Outro indício de falsidade da tabela é que algumas datas listadas não correspondem ao surgimento das respectivas cepas do novo coronavírus. Segundo o falso cronograma, a mais recente variante, a ômicron, sairia em maio de 2022, quando, na realidade, ela foi identificada em novembro deste ano.

O surgimento de variantes é um fenômeno natural e imprevisível, de acordo com especialistas ouvidos por Aos Fatos. De acordo com o virologista Flávio Guimarães, presidente da SBV (Sociedade Brasileira de Virologia), as mutações ocorrem de maneira aleatória devido à replicação do vírus dentro das células, sendo impossível estimar com exatidão quando uma nova cepa aparecerá.

“O que a gente sabe é que irão surgir mais variantes em locais ou circunstâncias onde tem vírus se multiplicando com mais intensidade. Se você tem um local como a África, que tem uma cobertura vacinal super baixa, a chance de que surja uma variante importante lá é maior que no Brasil, neste momento da pandemia”, explicou.

O virologista Amílcar Tanuri, chefe do laboratório de Virologia Molecular da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), concorda sobre a imprevisibilidade que impediria a existência de um calendário de novas cepas. “É a evolução natural do vírus”, resumiu.

Esta peça de desinformação também circulou em outros países, como a Argentina, Inglaterra, Índia e Portugal, tendo sido verificada por Chequeado, Reuters, India Today e Observador. Aqui no Brasil, AFP Checamos, Fato ou Fake e Lupa publicaram desmentidos.


Aos Fatos integra o Third-Party Fact-Checking Partners, o programa
de verificação de fatos da Meta. Veja aqui como funciona a parceria.


De acordo com nossos esforços para alcançar mais pessoas com informação verificada, Aos Fatos libera esta reportagem para livre republicação com atribuição de crédito e link para este site.

Compartilhe

Leia também

falsoVídeo é editado para fazer crer que família Bolsonaro apoia pré-candidatura de Pablo Marçal

Vídeo é editado para fazer crer que família Bolsonaro apoia pré-candidatura de Pablo Marçal

falsoPosts usam foto de outra pessoa para sugerir que autor de atentado contra Trump era trans

Posts usam foto de outra pessoa para sugerir que autor de atentado contra Trump era trans

Pré-candidato, Marçal oferece prêmio a seguidores e especialistas veem infração eleitoral

Pré-candidato, Marçal oferece prêmio a seguidores e especialistas veem infração eleitoral