Em ato no Congresso, chefes de Poderes dizem que desinformação insuflou o 8 de Janeiro

Compartilhe

Durante o ato que marcou o primeiro aniversário do 8 de Janeiro, no Congresso Nacional, os chefes dos Três Poderes afirmaram que a disseminação de mentiras nas redes sociais desempenhou papel fundamental na tentativa de golpe de Estado. A regulação das plataformas, cujo debate está estagnado há oito meses no Legislativo, foi mencionada por autoridades como uma medida urgente para combater a desinformação.

Último a discursar na cerimônia, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) defendeu a necessidade de fortalecer a democracia e a liberdade, mas sem tomar a livre expressão como uma carta branca para espalhar mentiras e atentar contra o Estado de Direito. “Liberdade não é uma autorização para espalhar mentiras sobre as vacinas nas redes sociais, o que pode ter levado centenas de milhares de brasileiros à morte por Covid”, disse o petista, em referência ao ex-presidente Jair Bolsonaro (PL).

“As mentiras, a desinformação e os discursos de ódio foram o combustível para o 8 de Janeiro”, disse Lula.

Leia mais
Investigamos Réus do 8 de Janeiro aguardam julgamento publicando desinformação
Radar Desinformação no WhatsApp buscou eximir Bolsonaro de culpa pelo 8 de Janeiro

Em tom similar ao adotado por outras autoridades, o presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), ministro Luís Roberto Barroso, afirmou que a tentativa de golpe foi precedida por anos de ataques às instituições e de disseminação de mentiras. “Milhares de pessoas, aparentemente comuns, insufladas por falsidades, teorias conspiratórias, sentimentos antidemocráticos e rancor foram transformadas em criminosas, aprendizes de terroristas.”

O ministro do STF e presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), Alexandre de Moraes, também atribuiu parte da radicalização à desinformação e caracterizou a falta de regulação das plataformas digitais como “um dos grandes perigos modernos da democracia”. O magistrado defendeu a aplicação de regras para garantir o controle na disseminação de mentiras e afirmou que “o que vale para o mundo real deve valer para o mundo digital”.

“As recentes inovações e tecnologia de informação, o acesso universal às redes sociais, com o agigantamento das plataformas, as big techs, amplificado em especial com o uso da inteligência artificial, essas recentes inovações potencializaram a desinformação premeditada e fraudulenta, amplificaram o discurso de ódio e antidemocráticos”, afirmou Moraes.

Leia mais
Checamos ‘Sem armas’ e ‘com senhorinhas orando’: em vídeo, parlamentares negam provas do 8 de Janeiro

Único representante do Legislativo — já que o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), não compareceu —, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), disse que os planejadores dos atos golpistas usaram o ódio e a desinformação para recrutar parte da população e desacreditar o processo eleitoral.

“Para além dos prejuízos materiais, para além das depredações e da violência praticadas, inclusive nesse recinto onde aqui nós estamos [o Congresso Nacional], essa turba de criminosos que invadiu essas mesmas dependências, desrespeitou a vontade popular manifestada pelo voto”, disse Pacheco.

Compartilhe

Leia também

Ações clandestinas da ‘Abin paralela’ realçam violências reais

Ações clandestinas da ‘Abin paralela’ realçam violências reais

falsoIdosa foi presa por tráfico, não por participar dos atos golpistas do 8 de Janeiro

Idosa foi presa por tráfico, não por participar dos atos golpistas do 8 de Janeiro

falsoLula devolveu 423 presentes recebidos durante mandatos anteriores

Lula devolveu 423 presentes recebidos durante mandatos anteriores