Cuba não desenvolveu vacina para o novo coronavírus

Por Priscila Pacheco

13 de março de 2020, 20h35


Não é verdade que Cuba tenha desenvolvido uma vacina para o novo coronavírus, como afirmam publicações que circulam redes sociais (veja aqui). O país fornece FNrec (Interferon alfa 2B) para a China, um dos remédios usados no tratamento de infectados, mas o medicamento é um antiviral –não uma vacina– e não é novo –já é utilizado há anos no tratamento de outras enfermidades, como hepatite C.

O conteúdo enganoso tem sido compartilhado no Facebook e acumulava mais de 1.000 compartilhamentos até a tarde desta sexta-feira (13). Todas as publicações foram marcadas com o selo FALSO na ferramenta de verificação da rede social (entenda como funciona).


FALSO

Cuba anuncia que produz vacina contra o coronavírus que está sendo usada na China e já curou 1.500 pessoas.

É falso que Cuba tenha desenvolvido uma vacina contra o novo coronavírus que estaria sendo usada pela China. A desinformação tem sido reproduzida por sites e perfis em redes sociais, mas já foi desmentida no Twitter por Gerardo Guillen, diretor do Centro de Engenharia Genética e Biotecnologia de Cuba, e em entrevista por Eduardo Martínez, presidente do grupo industrial estatal BioCubaFarma. A droga citada nas peças de desinformação é o Interferon Alfa 2B Recombinante, um antiviral inventado por cubanos na década de 1980. Segundo a agência Xinhua, a droga de fato está sendo usada pela China no tratamento da Covid-19 –mas não é vacina nem cura para a doença.

As notícias associando Cuba ao tratamento do novo coronavírus surgiram no dia 6 de fevereiro, quando o Granma, veículo oficial do Partido Comunista cubano, anunciou que o Interferon era um dos 30 selecionados pelo governo chinês para auxiliar no tratamento do novo coronavírus. O assunto também foi destaque na conta do Twitter do presidente cubano Miguel Díaz-Canel Bermúdez.

A primeira versão do medicamento foi inventada na década de 1980 por cientistas cubanos e, desde então, ele foi usado no tratamento de várias doenças, entre elas a hepatite C, como mostra estudo publicado em 2010 pela Fiocruz.

No caso do novo coronavírus, o diretor de investigações biomédicas do Centro de Engenharia Genética e Biotecnologia de Cuba, Gerardo Guillen, disse em entrevista para o canal Cubavisión Internacional que o medicamento impede a multiplicação do vírus e que ainda há muito o que investigar, mas que experimentos em animais já respaldam seu uso no tratamento da doença.

Busca por vacinas. Segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde) e o Ministério da Saúde ainda não há medicamentos específicos para tratar o coronavírus ou prevenir o contágio.

Desde que surgiram notícias sobre o novo coronavírus, há esforços por todo mundo para desenvolver uma vacina. O Hospital Infantil de Boston, nos EUA, por exemplo, tenta desenvolver uma vacina voltada para populações mais velhas, que são mais vulneráveis à Covid-19.

A aliança global CEPI (Coalização de Inovações em Preparação para Epidemias) também anunciou pesquisas desenvolvidas pela empresa de biotecnologia Novavax e a Universidade de Oxford.

Já Cuba diz que o grupo BioCubaFarma também está trabalhando para desenvolver uma vacina contra o coronavírus, mas não dá detalhes sobre a pesquisa.

Prevenção. Por ora, para reduzir o risco de contaminação, as instituições recomendam lavar as mãos frequentemente, cobrir a boca e o nariz ao tossir e espirrar, limpar e desinfetar objetos que sempre são tocados e evitar contato com o infectado.

Quem é diagnosticado com a enfermidade deve ficar em repouso e consumir bastante água. Já a internação é indicada em casos mais graves e o tratamento é recomendado pelo médico de acordo com a situação de cada paciente.

Esta peça de desinformação também foi checada pelo Fato ou Fake, do G1, e pela Agência Lupa.

Referências:
1. Fiocruz
2. Granma (Fontes 1 e 2)
3. OMS
4. Ministério da Saúde
5. Agência Brasil
6. Xinhua
7. Escola de Medicina de Harvard
8. Hospital Infantil
9. BBC
10. The New York Times
11. Cubavisión Internacional
12. Nature
13. O Globo


De acordo com nossos esforços para alcançar mais pessoas com informação verificada, Aos Fatos libera esta reportagem para livre republicação com atribuição de crédito e link para este site.