Como é feita a nomeação de um novo ministro do STF

Compartilhe

Com a proximidade da aposentadoria do decano Marco Aurélio Mello, no próximo dia 12, o presidente Jair Bolsonaro poderá indicar um novo ministro para o STF (Supremo Tribunal Federal). Se aprovado pelo Senado, este será o segundo magistrado escolhido pelo atual governo para integrar a corte. O nome mais cogitado até agora é o do chefe da AGU (Advocacia-Geral da União), André Mendonça, que enfrenta resistência de senadores.

O processo de escolha de ministros do STF segue ritos determinados pela Constituição e pelo regimento do Senado, mas também está sujeito aos humores da política. Para explicar como se dá a indicação e a nomeação, respondemos a quatro perguntas essenciais.

  1. Como é feita a escolha para ministro do STF?
  2. Qual o papel do Senado?
  3. O que acontece quando o Senado aprova o nome?
  4. E se os senadores rejeitarem a indicação?



1. Como é feita a escolha para ministro do STF?

O Supremo Tribunal Federal é composto por 11 ministros. Uma vaga é aberta apenas quando um de seus integrantes se aposenta, renuncia, sofre impeachment ou morre.

A Constituição determina que os magistrados devem ser nomeados pelo presidente da República após aprovação pelo Senado. A Carta não deixa claro de quem deve partir a indicação, mas a tradição no Brasil é que essa responsabilidade seja do presidente.

De acordo com o artigo 101 da Constituição, podem ser escolhidos para o cargo cidadãos brasileiros com idade entre 35 e 65 anos, notável saber jurídico e reputação ilibada. Nenhuma norma, no entanto, estabelece critérios objetivos para avaliar os dois últimos últimos requisitos.

“Trata-se de uma norma constitucional ampla e, portanto, sujeita a diversas interpretações dos senadores”, disse Vera Chemim, advogada constitucionalista e mestre em Direito Público Administrativo pela FGV (Fundação Getulio Vargas) consultada pelo Aos Fatos.

2. Qual o papel do Senado?

Uma vez decidida, a escolha do presidente da República é comunicada oficialmente ao Senado, que aprova ou rejeita a indicação.

O nome passa primeiro pela CCJ (Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania) da Casa, onde um de seus 27 senadores é designado relator e produz uma argumentação a favor ou contra o indicado. Após a leitura desse relatório, é feita uma sabatina do colegiado com o candidato.

Senadores que não fazem parte da CCJ também podem participar da sessão e fazer perguntas. Em geral, os questionamentos perpassam temas como currículo, conflitos de interesses e saberes técnicos pertinentes ao cargo.

De acordo com a advogada Vera Chemim, como os critérios de escolha são subjetivos, “os senadores podem levantar qualquer questão, não só técnico-jurídica, mas de qualquer natureza que eles queiram saber”.

Depois da arguição, em votação secreta, a CCJ aprova ou rejeita a escolha do novo ministro do Supremo. Se aprovada, a indicação segue para o plenário do Senado, onde deve receber o voto favorável da maioria absoluta dos senadores (41 dos 81) para ser confirmada.

Esse rito, entretanto, não tem prazo fixo para acontecer. Tanto a presidência da CCJ quanto a do Senado podem levar o tempo que julgarem necessário para marcar as votações. Nas últimas três indicações (Kássio Nunes Marques, Alexandre de Moraes e Edson Fachin), o tempo médio entre o envio da mensagem pelo presidente da República e a sabatina foi de 20 dias. Já a votação no plenário costuma ocorrer poucos dias após a aprovação da CCJ.

3. O que acontece quando o Senado aprova o nome?

Quando a indicação é aprovada no Senado, o presidente da República publica um decreto no Diário Oficial da União com a nomeação do ministro. O presidente da corte, então, marca o dia da posse do novo integrante em um prazo de até 30 dias.

O nomeado permanece no cargo de ministro do STF até se aposentar compulsoriamente ao cumprir 75 anos, renunciar ou sofrer impeachment.

4. E se os senadores rejeitarem a indicação?

Caso seu indicado não seja aprovado pelo Senado, seja na CCJ ou no plenário, o presidente pode enviar um novo nome. Isso, no entanto, não é comum: desde que o Brasil se tornou uma república, o Senado rejeitou apenas cinco indicações, todas de Floriano Peixoto, em 1894.

Compartilhe

Leia também

Por um uso ético da IA no jornalismo

Por um uso ético da IA no jornalismo

falsoBolsonaro não admitiu em áudio participação de Flávio em ‘rachadinha’

Bolsonaro não admitiu em áudio participação de Flávio em ‘rachadinha’

falsoFilho de Lula não comprou a Azul Linhas Aéreas

Filho de Lula não comprou a Azul Linhas Aéreas