CNN Brasil não fez enquete de intenções de voto para eleições de 2022; tweet é de conta satírica

Por Amanda Ribeiro

30 de março de 2020, 16h37


A imagem de uma enquete feita no Twitter sobre intenções de voto para as eleições presidenciais de 2022 tem circulado nas redes sociais como se a pesquisa tivesse sido publicada pela conta oficial da CNN Brasil (veja aqui). No entanto, ela foi postada por uma conta que se apresenta como satírica e que simula a da emissora americana, mas com uma letra "L" a mais: @CNNBrasill. Em busca na conta verdadeira, @CNNBrasil, Aos Fatos não encontrou nenhuma publicação com informação semelhante.

Segundo a peça de desinformação, a emissora teria apagado a enquete que trazia o presidente Jair Bolsonaro como candidato favorito em 2022. Postagens com o print da suposta pesquisa têm sido compartilhadas por perfis pessoais e páginas no Facebook e acumulavam, até a tarde desta segunda-feira, cerca de 2.000 compartilhamentos. Todas elas foram marcadas com o selo FALSO na ferramenta de monitoramento da rede social (saiba como funciona).


FALSO

Não é verdade que a CNN Brasil fez uma enquete no Twitter sobre intenção de voto para a Presidência da República em 2022 e apagou a publicação, que mostrava o presidente Jair Bolsonaro com 80% dos votos. A pesquisa, cuja imagem tem circulado nas redes sociais, foi postada no fim da manhã do último sábado (28) por um perfil que simula a conta oficial da emissora, mas traz um "L" a mais: @CNNBrasill.

A conta, que se apresenta na rede social como satírica, tem como descrição: “Esse perfil é mais fake que a Vera Magalhães e o João Dória juntos. Perfil de sátira da CNN Brasil. Alguns posts podem ter semelhança com a realidade”. Em postagem fixada, os autores pedem que usuários “se informem e não acreditem na mídia ‘oficial’ e nem na gente”. Em outro ponto, no entanto, afirmam que o objetivo é “fazer o que os jornais ‘oficiais’ não fazem, informar a verdade porém com humor”.

Já a conta da CNN Brasil (@CNNBrasil) tem o selo de verificação do Twitter. Em busca na página, Aos Fatos não encontrou nenhum tipo de enquete sobre intenções de voto como a apresentada pela peça de desinformação.