China não preferiu vacina contra Covid-19 de Oxford e descartou a vendida para SP

Compartilhe

Postagens que circulam nas redes sociais associam informações sem conexão aparente ao sustentar que o governo da China teria preterido a vacina contra Covid-19 feita no país, e testada em São Paulo, em favor da imunização da universidade inglesa Oxford (veja aqui), que também passa por testes no Brasil.

Na verdade, o contrato comercial com a farmacêutica anglo-sueca AstraZeneca, parceira de Oxford na produção da vacina, foi firmado pelo laboratório privado chinês Shenzhen Kangtai, não pelo governo daquele país. O acordo também não interfere em nada o desenvolvimento da CoronaVac, que é da empresa Sinovac Biotech e passa por testes hoje em São Paulo. Essas companhias não têm o governo da China entre seus acionistas.

Além disso, as parcerias que vêm sendo firmadas entre laboratórios pelo mundo para a produção da vacina contra o novo coronavírus não provam que governos nacionais preferem umas imunizações a outras, como sugere a peça de desinformação. Instituições de pesquisa brasileiras, por exemplo, participam hoje do desenvolvimento de duas vacinas em fase 3 (etapa em que a eficácia da imunização é avaliada em pacientes humanos) e há ainda mais uma imunização estrangeira em testes no país.

Publicada por perfis pessoais, a peça de desinformação acumulava cerca de 70 mil compartilhamentos no Facebook até a tarde desta quinta-feira (3). Todas as postagens foram marcadas com o selo DISTORCIDO na ferramenta de monitoramento da rede social (saiba como funciona).


DISTORCIDO

É enganosa a sugestão feita por uma peça de desinformação de que a China vende ao Brasil uma vacina contra a Covid-19 mas, naquele país, a imunização que será usada é a desenvolvida pelo laboratório anglo-sueco em parceria com a universidade inglesa Oxford. A alegação distorce fatos verídicos que não têm relação aparente entre si.

A parceria firmada entre o laboratório privado chinês Shenzhen Kangtai Biological Products e a empresa AstraZeneca prevê a produção de 100 milhões de doses da vacina que vem sendo desenvolvida pela companhia anglo-sueca e a Universidade de Oxford. O acordo, porém, não interfere nas imunizações em produção por outras companhias da China, inclusive a Sinovac Biotech, parceira do Instituto Butantan na CoronaVac. As farmacêuticas também não tem participação acionária do governo chinês.

O acordo com a AstraZeneca é apenas uma iniciativa para ampliar as chances do país de ter acesso rápido a uma vacina contra a Covid-19. Como são várias as imunizações hoje em estudo, esse tipo de parceria tem sido comum e não indica que governos nacionais preferem uma vacina à outra.

A parceria também não foi o primeira do tipo firmada por laboratórios chineses. Há acordos em curso com outras empresas que estão desenvolvendo potenciais vacinas contra a Covid-19, como a alemã BioNTech e a americana Inovio Pharmaceuticals.

Além disso, a China já aprovou o uso emergencial da CoronaVac, que tem sido desenvolvida no país. A estratégia do governo é vacinar parte da população chinesa pertencente a grupos de alto risco, como equipes médicas que atuam no combate à doença, noticiou a Reuters no fim de agosto.

De acordo com o The New York Times, há atualmente três empresas chinesas que estão desenvolvendo vacinas que chegaram à fase 3 de testes (quando é avaliada a eficácia da imunização em humanos): a CanSino Biologics, a Sinopharm e a Sinovac Biotech. Esta última firmou parceria com o governo do estado de São Paulo em junho para produção e testes de eficácia em 9.000 voluntários brasileiros.

Além da vacina da Sinovac, também está sendo testada no Brasil a imunização produzida pela Universidade de Oxford com a AstraZeneca, a mesma citada na peça de desinformação. O acordo de transferência tecnológica foi firmado com a Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz), que deve produzir cerca de 30 milhões de doses até o início do ano que vem, caso a capacidade de imunização seja comprovada.

Desde a aprovação da parceria do Instituto Butantan com a chinesa Sinovac, passaram a circular nas redes alegações enganosas de que o governador de São Paulo teria firmado acordo com a empresa antes do início da pandemia, que a OMS (Organização Mundial de Saúde) disse que a vacina não havia sido testada em nenhum outro lugar do mundo além do Brasil, que a imunização era produzida a partir de células de fetos abortados e que uma voluntária havia relatado febre e mal-estar após receber a imunização.

Referências:

1. New York Times
2. G1
3. Wall Street Journal
4. Reuters (Fontes 1 e 2)
5. Times of India
6. Inovio Pharmaceuticals
7. Veja
8. Instituto Butantan
9. Aos Fatos (Fontes 1, 2, 3 e 4)

Compartilhe

Leia também

Por um uso ético da IA no jornalismo

Por um uso ético da IA no jornalismo

falsoBolsonaro não admitiu em áudio participação de Flávio em ‘rachadinha’

Bolsonaro não admitiu em áudio participação de Flávio em ‘rachadinha’

falsoFilho de Lula não comprou a Azul Linhas Aéreas

Filho de Lula não comprou a Azul Linhas Aéreas