Lula desinforma sobre investimento da indústria automobilística e relação com o Congresso em entrevista à CBN

Compartilhe

Em sua primeira entrevista exclusiva a um veículo de imprensa desde março, o presidente Lula (PT) desinformou sobre temas ligados à pauta econômica e à relação do governo com o Congresso. Para inflar o impacto de um anúncio de investimentos do setor automobilístico, por exemplo, o petista alegou que a indústria não aplicava recursos no país há ao menos 40 anos — o que é falso.

O presidente também repetiu na entrevista a alegação enganosa de que a articulação com o Legislativo tem garantido a aprovação de todas as pautas do governo e que o valor gasto pelo governo Bolsonaro com o “orçamento secreto” em 2020 era equivalente à cifra destinada a investimentos.

Veja abaixo o que checamos:

  1. É FALSO que a indústria automobilística não anunciava investimentos no país há 40 anos. Desde 2016, o setor inaugurou fábricas em diversas regiões e aplicou cerca de R$ 8,4 bilhões na produção de autopeças;
  2. Também não é verdade que o governo tem conseguido aprovar todas as suas pautas no Congresso. Desde o início do mandato, o Executivo tem sofrido sucessivas derrotas na Câmara e no Senado, dominados por parlamentares da oposição;
  3. O presidente engana ao alegar que o valor gasto em 2020 com as emendas de relator (RP9), que ficaram conhecidas como “orçamento secreto”, seria equivalente ao total de investimentos do governo. Dados do Siga Brasil mostram que o montante de investimentos é 200% maior.
  4. Diferentemente do que sugere Lula, a isenção de impostos para compras de até US$ 2.000 se aplica apenas a viagens internacionais feitas por via aérea ou marítima;
  5. Mesmo que esteja a uma distância de cerca de 500 km da foz do rio Amazonas, a exploração de um poço de petróleo na Margem Equatorial pode afetar o ambiente marítimo, os biomas no entorno e as comunidades que vivem na região;
  6. O presidente citou os valores corretos para as despesas de Previdência — que giram em torno de R$ 900 bilhões — e para as referentes às isenções fiscais — que são de R$ 646,6 bilhões;
  7. Também é VERDADEIRA a alegação de que as penas impostas pelo PL 1.904/2024 a gestantes que realizarem abortos são mais severas do que as impostas a condenados por estupro.
Leia mais
WHATSAPP Inscreva-se no nosso canal e receba as nossas checagens e reportagens

Selo falso

A indústria automobilística fazia 40 anos que não fazia um investimento nesse país.

Para exaltar o anúncio da indústria automotiva de que serão investidos R$ 125 bilhões até 2032 no país, Lula desinforma ao dizer que o setor não aplicava recursos no Brasil há quatro décadas. A declaração é FALSA, porque omite que montadoras inauguraram diversas fábricas ao longo dos últimos anos:

  • Em maio de 2016, a Toyota inaugurou uma fábrica em Porto Feliz (SP), com um investimento total de R$ 508 milhões;
  • Em junho do mesmo ano, a Jaguar investiu R$ 750 milhões em uma nova fábrica em Itatiaia (RJ);
  • Em agosto de 2017, a General Motors confirmou um aporte de R$ 1,5 bilhão na fábrica de Gravataí (RS);
  • Em outubro do mesmo ano, a Koito iniciou a construção de uma fábrica em Sorocaba (SP), com investimento de R$ 221 milhões;
  • Dois meses depois, a JAC Motors anunciou um aporte de R$ 120 milhões para a construção de uma nova montadora em Itumbiara (GO);
  • Em fevereiro de 2019, a Honda abriu a fábrica de Itirapina (SP), que estava pronta desde 2016, mas ainda não havia sido inaugurada;
  • Também em 2019, a Fiat investiu R$ 7,5 bilhões em sua fábrica em Goiana (PE).

Os relatórios anuais da Anfavea (Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores) também desmentem a fala de Lula: entre 2022 e 2016, a indústria de autopeças investiu cerca de R$ 8,4 bilhões.

Além das omissões, a declaração de Lula também é incorreta porque trata uma promessa do setor como um investimento. No anúncio, feito em abril deste ano, o setor disse que irá focar em aumentar a produção de veículos, impulsionar a geração de empregos e a descarbonização do setor até 2035.

Mas algumas montadoras já haviam feito anúncios semelhantes durante o governo de Jair Bolsonaro (PL). No início de 2022, por exemplo, montadoras como a chinesa Great Wall e a alemã BMW anunciaram investimentos de R$ 20,9 bilhões até 2023. Em setembro de 2022, a Renault, a Volvo e a Audi também anunciaram R$ 3,6 bilhões de investimentos só no Paraná.

Outro lado. Procurada na tarde desta terça-feira (18), a assessoria de Lula alegou que a afirmação não é falsa porque o montante anunciado em 2024 é muito maior do que o mencionado pela checagem.


Selo falso

Nós aprovamos tudo o que nós mandamos para o Congresso Nacional, Milton. Não houve um projeto do governo que foi recusado. Nós aprovamos tudo.

A declaração do presidente é FALSA, porque omite que o governo tem enfrentado sucessivas derrotas políticas no Congresso desde o início do atual mandato.

Ainda em maio do ano passado, o Executivo teve que negociar com deputados a manutenção dos pontos principais da medida provisória de reestruturação dos ministérios. A articulação não foi suficiente para garantir a aprovação de todo o projeto, e parlamentares transferiram atribuições do Ministério do Meio Ambiente e dos Povos Indígenas ao Ministério da Agricultura e Pecuária.

Poucos meses depois, a oposição também conseguiu se articular para impedir a votação do “PL das Fake News”, que teve o regime de urgência aprovado pela Câmara. Impulsionada pelo 8 de Janeiro e pelos atentados em escolas, a proposta foi enterrada por pressão das big techs e da ala conservadora.

Ao longo dos últimos dois anos e meio, o Executivo também teve diversos vetos derrubados pelo Legislativo:

  • Na semana passada, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), devolveu a medida provisória editada pelo governo para compensar as perdas de arrecadação ao limitar o uso de créditos de PIS e Cofins. A disputa se arrasta desde dezembro, quando o Congresso anulou o veto de Lula à proposta que prorroga a desoneração da folha de pagamento para 17 setores da economia. Desde então, o governo havia entrado com um recurso no STF e decidiu por fim editar a medida provisória que acabou devolvida;
  • No fim de maio, parlamentares optaram por manter um trecho do projeto que impede as saídas temporárias de presos, mesmo em caso de visitas à família;
  • O Congresso também votou por manter o Perse (Programa Emergencial de Retomada do Setor de Eventos), que o governo queria extinguir, ainda que com menos recursos;
  • Em maio do ano passado, foram derrubados dois trechos da regulamentação do Marco do Saneamento que beneficiavam a atuação de empresas públicas. Após diálogo com o Congresso, o presidente revogou os pontos de conflito e publicou apenas as regras que eram consenso;
  • Também foi anulado o veto a um dispositivo do novo arcabouço fiscal que impedia que determinadas despesas fossem retiradas da conta do resultado primário do Orçamento.

Responsável pela articulação do governo, o ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha (PT), chegou a ser alvo de críticas do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), que o chamou de “incompetente” e um “desafeto pessoal”. Em resposta, Lula elogiou a atuação de Padilha e disse que pretende mantê-lo no cargo. Lira depois reconheceu que errou ao ofender o ministro, mas manteve as críticas sobre a relação do governo com o Congresso.

Leia mais
Checamos Em discurso no 1º de Maio, Lula omite derrotas ao dizer que governo aprovou no Congresso tudo o que quis

Selo não é bem assim

O Congresso, quando criou o orçamento secreto, era a mesma quantidade de dinheiro que o governo tinha para fazer investimento.

A declaração de Lula é incorreta porque as emendas de relator (RP-9), que ficaram conhecidas como “Orçamento Secreto” após reportagem do Estadão em 2020, não chegaram a totalizar o mesmo montante que os investimentos públicos do governo federal naquele ano.

Se considerarmos a criação do chamado “orçamento secreto” como o momento em que a LDO (Lei de Diretrizes Orçamentárias) de 2020 foi aprovada pelo Congresso, isso significa que o primeiro montante destinado ao pagamento das emendas de relator totalizava R$ 7 bilhões, segundo dados do Siga Brasil, plataforma de acompanhamento orçamentário mantida pelo Senado.

Naquele ano, o Orçamento previa R$ 48,6 bilhões de investimentos, mas R$ 20,9 bilhões foram pagos — descontando os valores de restos a pagar. O valor total de investimentos previstos pelo governo federal em 2020, portanto, era quase 200% maior do que o montante separado para as emendas de relator.

O valor só chega ao citado por Lula quando se leva em consideração todas as emendas — individuais, bancada (RP-7), comissão (RP-8) e de relator (RP-9). Em 2020, o governo pagou cerca de R$ 25,1 bilhões em emendas.

Lula também pode estar se referindo ao projeto enviado pelo governo Bolsonaro em 2022 para o Orçamento de 2023, que previa cerca de R$ 19,4 bilhões para as emendas de relator e cerca de R$ 22 bilhões para investimentos. O governo Lula, no entanto, pediu que a cifra fosse alterada. Ao fim, foram pagos R$ 5,4 bilhões em emendas de relator e R$ 30,7 bilhões em investimentos.


Selo não é bem assim

Quando alguém viaja de classe média e vai para o exterior, ele tem direito a gastar até US$ 2.000 sem pagar imposto.

A possibilidade de gastar US$ 2.000 (cerca de R$ 11.000 na cotação atual) sem o pagamento de impostos para viajantes internacionais, como citado por Lula, aplica-se somente quando a viagem é feita por avião ou pelo mar, mas não por rodovias e rios, por exemplo.

De acordo com a Receita Federal, bens sujeitos ao pagamento do imposto de importação e que não se enquadrem como de uso pessoal serão isentos até o limite da cota de US$ 1.000 se a viagem for aérea ou marítima. Os viajantes também podem trazer outros US$ 1.000 em compras em lojas isentas de tributos. No entanto, em viagens por via terrestre, fluvial ou lacustre, a isenção cai pela metade — ou seja, US$ 500.

Independentemente do meio de transporte, o Fisco impõe limites quantitativos que variam de acordo com o item importado. No caso de bebidas alcoólicas, por exemplo, são permitidos somente 12 litros no total. O que exceder esse volume ou o valor de isenção referente ao respectivo meio de transporte será tributado.

Leia mais
Explicamos O que está em disputa na abertura do poço de petróleo na bacia da foz do rio Amazonas

Selo não é bem assim

Quando a gente fala Margem Equatorial e a gente pensa que é fora do Amazonas, você sabe a que distância quilométrica está a possibilidade de ter petróleo? A 575 quilômetros da margem. Ou seja, não é uma coisa que está ali na Amazônia.

Para defender a exploração de petróleo na Margem Equatorial, faixa litorânea que vai do Amapá ao Rio Grande do Norte, o presidente alega que o risco ambiental de um possível empreendimento seria reduzido, já que o recurso estaria localizado em uma região distante da foz do rio Amazonas. O argumento é distorcido, pois ignora que a perfuração de um poço de petróleo, mesmo a centenas de quilômetros, pode afetar o ambiente marítimo, os biomas no entorno e as comunidades locais.

A Margem Equatorial tem sido alvo de disputas internas no governo desde o ano passado. Localizado a 179 km da costa do Amapá e a 500 km da foz do rio Amazonas, o bloco de exploração FZA-M-59 está situado em uma bacia sedimentar pouco estudada e com alta sensibilidade ambiental. Em parecer de abril do ano passado que negou o pedido da Petrobras para estudar a região, o Ibama alegou que a movimentação de embarcações na região pode afetar o ecossistema de corais e prejudicar os manguezais.

Além disso, especialistas consultados pelo Aos Fatos apontam que o ruído causado pela exploração pode prejudicar o equilíbrio dos ecossistemas ao afugentar a fauna da região e afetar a atividade econômica da população ribeirinha que vive da pesca. Espécies também podem ser mortas durante o processo por soterramento ou contaminação pelos resíduos da perfuração.

A eventual aprovação para exploração petrolífera também pode afetar negativamente a rotina e a cultura de comunidades indígenas da região, que terão que lidar com o aumento do fluxo migratório gerado pela atividade econômica, o sobrevoo constante de aeronaves e a movimentação causada pela perfuração.

Em resposta à negativa do Ibama, a Petrobras afirmou em nota no ano passado que a perfuração traz baixo risco ambiental para a região e que o plano proposto ao órgão previa “ações de resposta costeira à fauna, incluindo monitoramento e atendimento veterinário”. Especialistas do setor consultados pela reportagem acrescentaram ainda que a Petrobras nunca causou acidentes durante a perfuração de poços.


Selo verdadeiro

Veja, nós temos quase que R$ 1 trilhão para a Previdência Social. É muito? É muito. Agora, se tem muita gente em idade de se aposentar, vai sempre aumentar. Agora o que é muito é você ter quase 600 bilhões de isenção, de desoneração.

Os gastos previdenciários federais em 2023 somaram cerca de R$ 900 bilhões, e as isenções fiscais somaram aproximadamente R$ 646 bilhões. Os valores são próximos dos citados por Lula.

Em 2023, o gasto previdenciário foi de R$ 896,60 bilhões, de um total de R$ 959,64 bilhões previstos no Orçamento. Para 2024, a coordenação de Orçamento e Finanças do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) estimou que haverá um gasto de R$ 917,8 bilhões, valor que contempla benefícios, compensações e sentenças judiciais do setor. O número é próximo do estimado pelo IFI (Instituição Fiscal Independente), órgão vinculado ao Senado, que prevê um gasto de R$ 929,5 bilhões neste ano.

A cifra referente às isenções fiscais também é próxima de R$ 600 bilhões, como afirmado por Lula. Segundo trechos de um relatório do TCU (Tribunal de Contas da União) divulgados pelo jornal O Estado de S. Paulo, o governo federal deixou de arrecadar R$ 646,6 bilhões — montante também citado recentemente pela ministra do Planejamento e Orçamento, Simone Tebet — em razão de isenções fiscais em 2023. Em relação à desoneração da folha de pagamento, a renúncia fiscal foi de R$ 9,3 bilhões, segundo dados da Receita Federal.

Leia mais
Checamos PL do Aborto nega ciência e usa definições antigas para tentar limitar direito a até 22 semanas de gestação

Selo verdadeiro

Triste é que um deputado apresenta um projeto de lei em que o estuprador pode pegar uma pena menor do que a estuprada.

Lula comentava sobre o PL 1.904/2024, de autoria do deputado federal Sóstenes Cavalcante (PL-RJ). De fato, o texto propõe que pessoas que realizarem aborto após 22 semanas de gestação — tanto gestantes como profissionais responsáveis pelo procedimento — possam ser penalizados da mesma maneira que alguém que cometa homicídio simples: reclusão de 6 a 20 anos.

Atualmente, o Código Penal pune com detenção de 1 a 3 anos a mulher que realiza um aborto ou consente que outra pessoa o faça. O mesmo texto prevê que a pena máxima de estupro é de reclusão de 6 a 10 anos; a de estupro de vulnerável (menor do que 14 anos) é de 8 a 15 anos.

Logo, caso o texto seja aprovado do jeito que está, é fato que a pena para uma mulher estuprada que aborte será maior do que a do autor do estupro.

Após as críticas ao projeto, Sóstenes Cavalcante assinou a coautoria do PL 2.388/2024, que propõe o aumento da pena para os crimes de estupro e estupro de vulnerável. O texto, no entanto, não foi apreciado pela Câmara dos Deputados.

Referências

  1. g1 (1, 2, 3, 4, 5, 6 e 7)
  2. GZH
  3. InvestSP
  4. CIMM
  5. Auto Esporte
  6. Folha de Pernambuco
  7. Anfavea
  8. CBN
  9. Motor1
  10. Folha de S.Paulo (1 e 2)
  11. UOL
  12. Aos Fatos (1 e 2)
  13. Valor Econômico
  14. Congresso em Foco
  15. O Globo (1, 2, 3 e 4)
  16. Senado (1, 2, 3 e 4)
  17. O Estado de S. Paulo (1 e 2)
  18. Câmara dos Deputados (1, 2 e 3)
  19. Ministério da Economia
  20. Receita Federal (1 e 2)
  21. Ibama
  22. Science
  23. Portal Amazônia
  24. Petrobras
  25. Portal da Transparência
  26. Correio Braziliense
  27. Planalto
  28. Metrópoles

Compartilhe

Leia também

falsoIdosa foi presa por tráfico, não por participar dos atos golpistas do 8 de Janeiro

Idosa foi presa por tráfico, não por participar dos atos golpistas do 8 de Janeiro

falsoLula devolveu 423 presentes recebidos durante mandatos anteriores

Lula devolveu 423 presentes recebidos durante mandatos anteriores

Como a ‘Abin paralela’ alimentou desinformadores com mentiras e dossiês

Como a ‘Abin paralela’ alimentou desinformadores com mentiras e dossiês