Bruno Covas não é irmão de Dimas Covas, diretor do Instituto Butantan

Compartilhe

É falso que o prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), seja irmão de Dimas Covas, diretor do Instituto Butantan, conforme afirmam nas redes sociais (veja aqui). O órgão negou que haja parentesco entre os dois, o que é corroborado por reportagens publicadas em 2017, quando Dimas Covas assumiu o cargo.

No Facebook, a peça de desinformação reunia ao menos 2.700 compartilhamentos nesta terça-feira (15) e foi marcada com o selo FALSO na ferramenta de verificação da rede social (veja como funciona).


FALSO

O diretor do Butantã é irmão de Bruno Covas, que é capacho de João Doria, que é o vendedor da vacina.

Não é verdade que o prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), seja irmão de Dimas Covas, atual diretor do Instituto Butantan. A assessoria de imprensa do órgão afirmou que não há grau de parentesco entre os dois, apesar do mesmo sobrenome. Além disso, reportagem publicada em 2017, quando Dimas Covas assumiu o Butantan, já explicava que ele não era parente do atual prefeito paulistano.

A postagem ainda insinua que Dimas Covas chegou ao cargo por indicação do governador de São Paulo João Doria (PSDB), mas ele assumiu a direção do instituto no governo de Geraldo Alckmin (PSDB). O médico hematologista comandava a Fundação Hemocentro de Ribeirão Preto quando foi convidado para substituir Jorge Kalil no Butantan, em 2017.


De acordo com nossos esforços para alcançar mais pessoas com informação verificada, Aos Fatos libera esta reportagem para livre republicação com atribuição de crédito e link para este site.

Compartilhe

Leia também

Ações clandestinas da ‘Abin paralela’ realçam violências reais

Ações clandestinas da ‘Abin paralela’ realçam violências reais

falsoIdosa foi presa por tráfico, não por participar dos atos golpistas do 8 de Janeiro

Idosa foi presa por tráfico, não por participar dos atos golpistas do 8 de Janeiro

falsoLula devolveu 423 presentes recebidos durante mandatos anteriores

Lula devolveu 423 presentes recebidos durante mandatos anteriores