Bill Gates não afirmou que vacinação obrigatória é 'solução ecológica' para despovoar a Terra

Por Luiz Fernando Menezes

19 de novembro de 2021, 15h17

Não é verdade que Bill Gates defendeu em 2011 a vacinação obrigatória como "solução ecológica" para despovoar a Terra, como sustentam nas redes (veja aqui). O jornal exibido na foto que acompanha as postagens distorce declaração dita pelo fundador da Microsoft em palestra em 2010. Na ocasião, Gates afirmou que o acesso a melhores serviços de saúde influenciaria o planejamento familiar, e avaliou que isso reduziria a velocidade de crescimento da população.

Esta alegação enganosa acumulava ao menos centenas de compartilhamentos no Facebook nesta sexta-feira (19) e conteúdo semelhante também circula no Instagram, no Twitter e no Telegram.


Selo distorcido

Uma mulher perspicaz segura nas mãos um jornal de 2011, que sempre guardou. O jornal diz em preto e branco que Bill Gates iniciará o ‘despovoamento por meio da vacinação forçada’ porque será a ‘solução mais ecológica’. Você não pode encontrar esse artigo em nenhum outro lugar.

As postagens checadas compartilham foto com a capa de junho de 2011 do jornal irlandês Sovereign Independent, que retrata Bill Gates e estampa a manchete: “Despopulação por meio da vacinação forçada: a solução livre de carbono”. Na realidade, não foi isso o que o empresário disse.

A publicação estrangeira tira de contexto uma fala de Gates durante palestra no evento TEDx, em fevereiro de 2010. Na ocasião, ele palestrou sobre a necessidade de construir projetos inovadores para zerar as emissões de carbono no planeta.

Segundo a lógica do empresário, a melhoria nos serviços de saúde, como o acesso à vacinação, interferiria no planejamento das famílias e poderia levar à diminuição da velocidade de crescimento da população. Isso porque, com herdeiros mais saudáveis e bem sucedidos o bastante para auxiliá-los na velhice, os pais optariam por ter menos filhos.

A frase tirada de contexto é a seguinte (4 minutos e 21 segundos): “Primeiro, nós temos a população. O mundo hoje tem 6,8 bilhões de pessoas e está indo para cerca de 9 bilhões. E se fizermos um excelente trabalho com novas vacinas, saúde, serviços de saúde em reprodução, nós podemos baixar isso para, talvez, 10 ou 15%. Mas nós vemos um aumento de cerca de 1,3”.

Embora não tenha aprofundado o tema nessa palestra, o assunto é recorrente nas falas do magnata. Em 2009, na carta anual da sua fundação, ele afirmou, por exemplo, que “os pais optam por ter filhos suficientes para lhes dar uma grande chance de que vários sobrevivam para sustentá-los à medida que envelhecem. Se aumenta o número de crianças que sobrevivem até a idade adulta, os pais podem atingir essa meta sem ter tantos filhos”.

A mesma argumentação aparece em outros textos publicados pela Fundação Bill & Melinda Gates em 2012, 2015 e 2017 e em vídeo disponível no canal oficial do empresário.

Com base nessa fala, o Sovereign Independent propagou naquela edição de 2011 que o plano de Gates era “matar crianças” com vacinação forçada. A frase distorcida é usada como manchete de um artigo desinformativo sobre vacinas, alegando que elas causam mortes e autismo.

Na mesma edição, o jornal traz outros textos desinformativos e teorias conspiratórias, como a de que os atos terroristas de Osama Bin Laden seriam uma “farsa inventada”.

Ao Aos Fatos, a Fundação Bill & Melinda Gates classificou a alegação como falsa.

Esta peça de desinformação já foi desmentida por AAP, AP, AFP, Reuters, India Today e Grass Fact Check.

Referências:

1. TEDx
2. Gates Foundation (1 e 2)
3. Gates Notes (1 e 2)
4. Youtube (Bill Gates)
5. Aos Fatos


Aos Fatos integra o Third-Party Fact-Checking Partners, o programa
de verificação de fatos do Facebook. Veja aqui como funciona a parceria.


De acordo com nossos esforços para alcançar mais pessoas com informação verificada, Aos Fatos libera esta reportagem para livre republicação com atribuição de crédito e link para este site.

Usamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concordará com estas condições.