Autopromoção e ataques engajam mais que propostas nas redes de candidatos a prefeito de Rio e São Paulo

Por Marina Gama Cubas, Bruno Fávero e João Barbosa

14 de novembro de 2020, 17h34


Posts com propaganda e críticas a adversários representaram mais de 75% das publicações de candidatos a prefeito do Rio e de São Paulo que mais geraram engajamento no Twitter e no Facebook ao longo da campanha eleitoral deste ano. Já publicações que traziam propostas ou que discutiam políticas públicas representaram apenas 13% dos posts de candidatos paulistanos e 11% de cariocas.

No levantamento, o Radar Aos Fatos analisou os 40 posts mais populares de cada candidato, 20 do Twitter e 20 do Facebook, publicados de 27 de setembro, início da campanha, até sexta-feira (13). A análise se restringiu aos seis nomes mais bem colocados no Datafolha do dia 11 de novembro. Em São Paulo: Bruno Covas (PSDB), Guilherme Boulos (PSOL), Celso Russomanno (Republicanos), Márcio França (PSB), Artur do Val (Patriota) e Jilmar Tatto (PT). No Rio: Eduardo Paes (DEM), Marcelo Crivella (Republicanos), Martha Rocha (PDT), Benedita da Silva (PT), Luiz Lima (PSL) e Renata Souza (PSOL).

Como o gráfico abaixo mostra, publicações de propaganda dominam amplamente os posts mais populares de todos os candidatos das duas cidades, seguido das críticas e da discussão de políticas públicas.

As publicações foram classificadas como de "propaganda" quando o candidato apenas pediu votos ou falou sobre eventos de campanha; de "proposta" quando apresentou um plano para um eventual governo ou discutiu uma questão de política pública; de "crítica" quando criticou um adversário ou a imprensa; e de "outros" quando a postagem não tem relação com política ou não se encaixa nas outras categorias.

Em São Paulo, os candidatos que mais tiveram postagens sobre políticas públicas entre as mais populares de suas redes foram Covas (20%) e Russomanno (15%). No Rio, foram Luiz Lima (27,5%) e Renata Souza (15%). Isso não significa que esses candidatos tenham necessariamente publicado mais posts desse tipo, apenas que tiveram um número maior dentre suas publicações que geraram mais engajamento.

Nessas postagens que discutem questões de política pública, os temas mais comumente abordados por candidatos de São Paulo foram urbanismo e mobilidade (25%), economia (22%) e direitos humanos (19%). Já no Rio, foram saúde (29%), direitos humanos (18%) e economia (11%).

Entre as publicações de direitos humanos, destacam-se nesse grupo as mensagens de solidariedade a Mari Ferrer, blogueira que acusou um empresário de estupro e foi hostilizada pelo advogado de defesa no julgamento, que acabou absolvendo o réu.

No ataque. Em São Paulo, o candidato com mais postagens críticas é Arthur Do Val (52% de seus posts), que começou sua carreira política com o canal de YouTube Mamãe Falei, em que costuma divulgar vídeos confrontando militantes e políticos da esquerda. Em seguida aparecem Celso Russomanno (37%) e Márcio França (35%).

Listada entre as que têm mais publicações populares sobre políticas públicas, a representante do PSOL no Rio, Renata Souza, também é a candidata da cidade que tem mais posts críticos a adversários (40% dos seus 40 posts analisados). Em seguida, aparecem Paes e Luiz Lima (ambos com 15%).

Nas duas cidades, os mais atingidos pelas críticas foram os atuais prefeitos, que concorrem à reeleição, e seus padrinhos políticos. Bruno Covas (23% dos posts críticos) e João Doria (15%) em São Paulo e Marcelo Crivella (37%) e Jair Bolsonaro (31%) no Rio.

Por fim, especialmente em São Paulo, órgãos de imprensa também (23%) apareceram com destaque entre as críticas por conta do cancelamento de debates entre candidatos.

sobre o

Radar Aos Fatos faz o monitoramento do ecossistema de desinformação brasileiro e, aliado à ciência de dados e à metodologia de checagem do Aos Fatos, traz diagnósticos precisos sobre campanhas coordenadas e conteúdos enganosos nas redes.

Usamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concordará com estas condições.