AstraZeneca não significa ‘estrelas de matar’ ou ‘estrelas da morte’ em latim

Por Luiz Fernando Menezes

22 de julho de 2021, 18h49

Não é verdade que o nome da farmacêutica AstraZeneca signifique “ou seja, estrelas de matar” em latim, como afirmam publicações nas redes sociais (veja aqui). As postagens disseminam uma tradução incorreta do Google Tradutor, conforme explicaram especialistas ao Aos Fatos. O nome da empresa, na realidade, se originou da fusão de duas outras companhias: a sueca Astra e a britânica Zeneca.

Postagens que compartilham a tradução incorreta somavam, até a tarde desta quinta-feira (22), ao menos 6.500 curtidas no Instagram e centenas de compartilhamentos no Facebook. Todas as publicações foram marcadas por Aos Fatos com o selo FALSO na ferramenta de verificação (saiba como funciona).


Diferentemente do que sugerem publicações nas redes sociais, AstraZeneca não significa “ou seja, estrelas de matar” ou “estrelas da morte” em latim. Professores consultados por Aos Fatos afirmam que a tradução que consta na ferramenta do Google está incorreta e que o nome da empresa não tem nenhum significado em latim.

José Rodrigues Seabra Filho, professor de Língua Latina da USP (Universidade de São Paulo), explicou que a frase “ou seja, estrelas de matar”, em tradução para o latim, seria “id est, astra quae necant”, e não “astra ze neca”. Já Luiz Henrique Queriquelli, professor do departamento de Língua e Literaturas Latinas da UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina), explicou que o termo “ze” sequer existe no idioma.

Os especialistas apontaram ainda que, por mais útil que a ferramenta do Google Tradutor seja, ela não é indicada para a tradução do latim em razão da frequência de erros.

O nome da farmacêutica é, na verdade, resultado da fusão das companhias Astra, da Suécia, e Zeneca, do Reino Unido, em 1998. Enquanto “Astra” vem do grego “astron”, que significa “estrela”, Zeneca não tem significado. Em entrevista ao diário britânico Telegraph em 2001, o ex-CEO da farmacêutica David Barnes disse que o nome foi escolhido pela Interbrand, empresa especializada em criação de marcas, com base na fonética.

A AFP Checamos também publicou uma checagem sobre o assunto.

Referências:

1. Google
2. Folha de SP
3. Twitter
4. The Telegraph


De acordo com nossos esforços para alcançar mais pessoas com informação verificada, Aos Fatos libera esta reportagem para livre republicação com atribuição de crédito e link para este site.

Usamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concordará com estas condições.