Vídeo não mostra apreensão de ouro de ONGs pelo Exército na Amazônia

Por Luiz Fernando Menezes

23 de fevereiro de 2022, 17h40

É falso que um vídeo compartilhado nas redes sociais mostra o momento em que o Exército apreendeu barras de ouro em um carro ligado a ONGs (organizações não-governamentais) que atuam na Amazônia (veja aqui). As imagens são de uma operação recente da Polícia Militar de Goiás em que foram apreendidas barras de ouro que equivalem a R$ 4 milhões. Não há relação de ONGs com o caso, segundo os policiais.

Publicações com o vídeo fora de contexto somavam centenas de compartilhamentos nesta quarta-feira (23) no Facebook e também circulavam no WhatsApp (fale com a Fátima).


Selo falso

Apreensão não tem relação com ONGs na Amazônia.

Postagens nas redes sociais enganam ao compartilhar um vídeo que mostra a apreensão de barras de ouro escondidas em um carro com a legenda de que seria resultado de uma ação do Exército contra ONGs que atuam na Amazônia.

Na verdade, as imagens são do momento em que a Polícia Militar de Goiás, por meio do COD (Comando de Operações de Divisas), encontrou ouro de origem ilegal dentro do veículo de um empresário na sexta-feira (18). A ação foi registrada em reportagens do portal Metrópoles e do jornal goiano Opção (aqui e aqui).

A polícia apreendeu cerca de R$ 4 milhões em barras de ouro que estavam escondidas no câmbio de uma caminhonete. O subcomandante do COD, Renyson Castanheira, afirmou ao Aos Fatos que o minério era originário de garimpos ilegais do Pará e do Mato Grosso e estava sendo transportado por um advogado e por um segurança. Ambos foram detidos.

O transporte do ouro estava a serviço de um empresário de Goiás que era o proprietário do veículo abordado. Embora o seu nome não tenha sido divulgado pelos policiais, Castanheira afirma que ele não tem relação com ONGs.

O Boatos.org também desmentiu essa peça de desinformação.

Referências:

1. PM-GO
2. Metrópoles
3. Jornal Opção

Topo

Usamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concordará com estas condições.