Reprodução

🕐 Esta reportagem foi publicada há mais de seis meses

Fique por dentro do que checamos em tempo real no debate do Rio da TV Globo

Por Bernardo Moura, Ana Rita Cunha e Ana Freitas

29 de setembro de 2016, 21h42

Os candidatos à Prefeitura do Rio de Janeiro participaram, nesta quinta-feira (29), do último debate eleitoral antes do primeiro turno das eleições municipais. Em parceria com o UOL, Aos Fatos checou o que eles falaram no confronto promovido pela TV Globo. Os candidatos cometeram equívocos ao falar de temas como saúde, violência e Operação Lava Jato.

Veja, abaixo, o que checamos. Leia nosso material também no UOL.


FALSO
Jandira, você foi acusada de receber propina na Lava Jato. — Pedro Paulo (PMDB)

O candidato Pedro Paulo (PMDB) errou ao afirmar que Jandira Feghali (PC do B) é acusada de receber propina no âmbito da Operação Lava Jato. A candidata foi citada na delação premiada do ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado por ter recebido R$ 410 mil em doações de duas subsidiárias da construtora Queiroz Galvão durante a campanha eleitoral em 2014. A empresa é investigada por pagamento de propina na Operação Lava Jato.

Machado afirmou na delação que Jandira pediu dinheiro diretamente a ele. No entanto, Jandira não foi denunciada pelo Ministério Público e tampouco é ré neste caso.


VERDADEIRO
São 7.500 guardas municipais no Rio hoje. — Flávio Bolsonaro (PSC)

O número citado pelo candidato Flávio Bolsonaro é confirmado pela Prefeitura do Rio de Janeiro: mais de 7.500 guardas municipais e 380 funcionários administrativos.


VERDADEIRO
Nós sabemos que os crimes nas ruas aumentaram mais de 40%. — Jandira Feghali (PC do B)

A informação está correta de acordo com a estatística apurada pelo ISP (Instituto de Segurança Pública) em agosto na capital: crescimento de 43% em relação ao mesmo mês do ano passado.


FALSO
Nós temos hoje um grave caso de tuberculose, o maior índice de tuberculose no Brasil é no Rio de Janeiro. — Marcelo Freixo (PSOL)

De acordo com dados do Datasus, o Rio teve 110,1 casos de tuberculose por 100 mil habitantes em 2015. O índice coloca o Rio na quarta posição no ranking de incidência da doença nas capitais do Brasil. A cidade fica atrás de Porto Alegre (175,6), Recife (152,8) e Manaus (132,3). Os dados de 2015 foram atualizados pelo Datasus no dia 25 de maio de 2016, mas ainda estão sujeitos à revisão.


VERDADEIRO
Quando ele [Garotinho] foi secretário de Segurança, escolheu um chefe de polícia que foi preso. Quando indicou o secretário de Saúde, também foi preso. — Pedro Paulo (PMDB)

Ao falar sobre o apoio de Anthony Garotinho (PR) a Marcelo Crivella, Pedro Paulo afirmou que o ex-governador indicou chefe de polícia e secretário de Saúde que foram posteriormente presos por corrupção. A informação é verdadeira.

Chefe de Polícia Civil nos governos de Anthony e de Rosinha Garotinho, Álvaro Lins foi preso em 2008 acusado de lavagem de dinheiro, formação de quadrilha armada, corrupção passiva e facilitação de contrabando. Ele foi condenado a 28 anos de prisão e hoje recorre da decisão em liberdade.

Já Gilson Cantarino, secretário estadual de Saúde do governo Rosinha, também foi preso em 2008 - e libertado dias depois - sob acusação de integrar quadrilha que desviou R$ 60 milhões de programas da pasta.


FALSO
Violência no Rio foi muito pior durante a Olimpíada do que antes dela. — Indio da Costa (PSD)

A afirmação é falsa, se consideradas as estatísticas do ISP (Instituto de Segurança Pública) de crimes violentos na capital entre janeiro e agosto deste ano. Fevereiro foi o mês com o maior número de ocorrências desse tipo (3.008). Agosto, mês das Olimpíadas, registrou 2.557 crimes violentos na capital. Em julho, antes do megaevento, o ISP apurou 2621 ocorrências. O instituto classifica como crimes violentos homicídio doloso, lesão corporal seguida de morte, latrocínio, tentativa de homicídio, lesão corporal dolosa e estupro.


VERDADEIRO
O Rio de Janeiro é o 16º no ranking de transparência das capitais. — Alessandro Molon (Rede)

O Rio de Janeiro está mesmo em 16º lugar entre as capitais avaliadas pelo Ranking da Transparência elaborado pelo Ministério Público Federal, como informou o candidato Alessandro Molon. A última edição da pesquisa deu nota 8,2, em escala que vai de zero (pior) a 10 (melhor). O Rio está atrás de Cuiabá (MT), em 15º, e São Luís (MA), em 17º. A última avaliação foi divulgada pelo MPF em junho deste ano.


IMPRECISO

A responsabilidade de limpar a lagoa é da prefeitura. — Indio da Costa (PSD)

A limpeza da Lagoa envolve tanto a gestão municipal quanto estadual de acordo com a Lei do Saneamento Básico (Lei 11.445/07). A prefeitura é responsável pela gestão de lixo e pela prestação de serviços de saneamento básico. Tanto o lixo quanto o esgoto são uma das fontes de poluição da Lagoa Rodrigo de Freitas. Aos estados cabe operar e manter os sistemas de saneamento, além de estabelecer as regras tarifárias e de subsídios nos sistemas operados pelo estado, de acordo com a mesma lei.


VERDADEIRO
O preço da passagem aumentou mais que a inflação.
— Marcelo Crivella (PRB)

Quando o prefeito Eduardo Paes assumiu o seu primeiro mandato, em 2009, a passagem custava R$ 2,20. Hoje, cada viagem de ônibus do transporte coletivo convencional no Rio custa R$ 3,80.

O aumento do preço da passagem neste período equivale a 72%. Já a inflação no mesmo intervalo de tempo foi de 63,7%, segundo dados do IPCA, disponíveis no site do Banco Central do Brasil.


VERDADEIRO
A ciclovia [Tim Maia] foi um investimento de R$ 45 milhões. — Marcelo Freixo (PSOL)

A afirmação é correta. O consórcio Contemat-Concrejato venceu a concorrência feita pela Fundação Geo-Rio, da Secretaria Municipal de Obras da Prefeitura, para fazer a implantação da ciclovia na Avenida Niemeyer. O valor da licitação é de R$ 44,75 milhões.


INSUSTENTÁVEL
Com o fim das Olimpíadas, temos mais 60 mil desempregados no Rio de Janeiro. — Carlos Osorio (PSDB)

A declaração do candidato é insustentável, pois as fontes que medem o desemprego na cidade - o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho e Emprego, e a PNAD Contínua, do IBGE - ainda não divulgaram os dados relativos a setembro - mês posterior à realização dos Jogos Olímpicos.

Em agosto, o Caged registrou déficit acumulado de 75.648 postos de trabalho no município do Rio desde janeiro. A taxa de desocupação na capital no segundo trimestre deste ano foi de 74,3%, de acordo com o IBGE.


FALSO
Você [Pedro Paulo] tem mil vereadores te apoiando, 17 partidos do seu lado. — Marcelo Crivella (PRB)

A coligação de Pedro Paulo é formada por 15 partidos. Crivella também errou no número de vereadores. A Câmara Municipal do Rio de Janeiro tem 51 vereadores, e 30 pertencem à coligação do candidato do PMDB.

Segundo o site do Tribunal do Superior Eleitoral, a coligação Juntos pelo Rio do candidato Pedro Paulo é formada pelos partidos: PMDB, PDT, PP, PTB, PSL, SD, DEM, PROS, PHS, PMN, PEN, PSDC, PTC, PT do B, PRTB.


FALSO
Quando nós olhamos para o Funprev e para o Prev Rio, que hoje estão com o caixa zerado, em 2008, tinham mais de R$ 2 bilhões em caixa. — Flávio Bolsonaro (PSC)

Segundo os dados do Relatório de Gestão Fiscal à Controladoria Geral do Município, os fundos de previdência fecharam o ano de 2008 com déficit de R$ 104,35 milhões. Além disso, o candidato foi impreciso ao afirmar que o caixa atual dos fundos está zerado. Até junho, os fundos previdenciários acumulavam um déficit de R$ 75,810 milhões.


EXAGERADO
As mulheres, hoje, depois das 10h da noite, não têm ônibus. Depois da meia noite não têm transporte, e essas mulheres estão sob risco nas ruas. — Jandira Feghali (PC do B)

Há serviços regulares de ônibus coletivo até meia-noite em todas as regiões da cidade. Algumas inclusive funcionam 24h por dia, como o BRT que faz o itinerário entre Campo Grande e Santa Cruz. O Rio Ônibus, sindicato das empresas, não mostra em seu site quais as linhas que funcionam na madrugada.

Usamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concordará com estas condições.