O antes e depois de bolsonaristas nas redes sobre Roberto Jefferson

Compartilhe

O vídeo do presidente Jair Bolsonaro (PL) chamando de ”bandido” e “criminoso” o aliado Roberto Jefferson (PTB) — que atacou policiais federais a tiros de fuzil e granadas — fez apoiadores mudarem o tom do discurso dentro de poucas horas.

Sergio Moro (União Brasil-PR). O senador eleito foi um dos que recalcularam a rota após o vídeo de Bolsonaro. Às 17h18, Moro classificou como “sem noção” o ataque, sem, no entanto, condenar efetivamente os 20 tiros de fuzil e duas granadas lançadas pelo ex-deputado contra os policiais.

Após o último posicionamento de Bolsonaro, o ex-juiz usou outras palavras para falar do petebista. Em tuíte às 19h43, classificou o ato como “gravíssimo e injustificável”, além de chamar Jefferson de “criminoso”.

Otoni de Paula (MDB-RJ). A princípio, o deputado federal publicou um vídeo dizendo que a ação da PF contra o ex-deputado era uma “covardia” e que já havia entrado em contato com a assessoria de Bolsonaro para se informar sobre quais seriam as medidas tomdas.

Segundo o parlamentar, Bolsonaro teria determinado o envio das Forças Armadas para “proteger o nosso Roberto Jefferson”, a quem chamou também de “patriota”. Otoni ainda ressaltou que suposta ação do presidente evitaria a criação de uma “narrativa de que o presidente Bolsonaro deixou o Roberto Jefferson, um soldado patriota, morrer sozinho”.

Print de vídeo gravado por Otoni de Paula sobre Roberto Jefferson

No entanto, após Bolsonaro descartar o ex-deputado, Otoni de Paula não gravou um novo vídeo, mas compartilhou em sua página no Facebook um trecho da entrevista de Bolsonaro antes do debate na TV Record com a frase “essa é a verdade”.

Rodrigo Constantino. A partir das 13h05, o comentarista fez uma série de tuítes criticando a PF por cumprir a ordem judicial expedida pelo STF (Supremo Tribunal Federal), além de chamar os agentes em serviço de “espécie de Gestapo”, em referência à polícia secreta da Alemanha nazista.

Em tuíte subsequente, Constantino confunde o motivo da revogação da prisão domiciliar de Jefferson ao questionar se há previsão na Constituição de prisão em flagrande por xingamentos contra ministros. Na verdade, o ex-parlamentar descumpriu condições de sua prisão domiciliar, como não usar redes sociais e não ter armas em casa. Ele está preso preventivamente desde agosto de 2021, no âmbito do inquérito das milícias digitais.

Às 19h17, após posicionamento de Bolsonaro, Constantino compartilhou o tuíte do presidente e escreveu “assunto encerrado”.

Constantino reproduziu posicionamento de Bolsonaro em retweet

Me atualizei. Outros bolsonaristas como Bárbara Destefani, do canal TeAtualizei, e Paulo Figueiredo concordaram com a gravidade da atitude de Jefferson, mas se posicionaram contrários à atuação da Polícia Federal e ao cumprimento da ordem expedida pelo STF.

Compartilhe

Leia também

Por um uso ético da IA no jornalismo

Por um uso ético da IA no jornalismo

falsoBolsonaro não admitiu em áudio participação de Flávio em ‘rachadinha’

Bolsonaro não admitiu em áudio participação de Flávio em ‘rachadinha’

falsoFilho de Lula não comprou a Azul Linhas Aéreas

Filho de Lula não comprou a Azul Linhas Aéreas