Em reunião com a ANPD, Meta diz que ainda não monetiza dados de usuários do Threads

Compartilhe

A Meta se reuniu com representantes da Coordenação-Geral de Tecnologia e Pesquisa da ANPD (Autoridade Nacional de Proteção de Dados), no dia 12 de julho, para prestar esclarecimentos sobre o Threads, clone do Twitter lançado no início do mês.

  • O encontro ocorreu após especialistas em proteção de dados levantarem preocupações, em reportagem do Valor Econômico, sobre o uso de dados pessoais na nova rede, que estaria capturando dados sensíveis, como histórico de navegação, localização e até informações bancárias;
  • Para criar um perfil, é necessário ter uma conta no Instagram, e a nova plataforma dá ao usuário a opção de seguir todas as contas que já segue no Instagram;
  • Na véspera da reunião com a ANPD, reportagem do site americano Axios revelou que a Meta já tem planos para liberar no Threads ferramentas de conteúdo patrocinado que existem no Instagram e incentivar que marcas compartilhem publis na nova rede;
  • Durante a reunião, a Meta explicou que a nova rede social ainda não exibe anúncios ou publicidade personalizada, de forma que os dados dos usuários não são monetizados;
  • A empresa ainda confirmou que o tratamento de dados pessoais a partir do Threads está relacionado a outras plataformas e serviços da Meta, como o Instagram e Facebook, conforme suas políticas de privacidade e de cookies.

A ANPD está produzindo um estudo preliminar sobre as operações de tratamento de dados pessoais realizadas no Threads, que apontou a necessidade de maior aprofundamento e análise. Dessa forma, o órgão anunciou nesta segunda-feira (24) que a Coordenação-Geral de Fiscalização da autoridade iniciou ação de monitoramento da rede social.

“A ANPD está levantando informações sobre a plataforma, inclusive no que diz respeito ao recebimento de requerimentos pelos titulares de dados, sinalizando um possível tratamento em desconformidade com a legislação. Dependendo das informações apuradas nesta etapa, pode haver — ou não — uma fiscalização no futuro”, explicou em nota enviada ao Aos Fatos.

Outras plataformas, como Facebook e Telegram também já foram alvos de ações fiscalizatórias da autoridade, mas tiveram os processos arquivados. Permanecem em andamento fiscalizações sobre o tratamento de dados pessoais de crianças e adolescentes no TikTok e sobre o compartilhamento de dados de usuários do WhatsApp com outras plataformas da Meta.

O órgão não deu mais detalhes sobre a reunião realizada com a Meta ou sobre o estudo preliminar sobre a Threads, que ainda não foi concluído. “A análise levará em conta como a plataforma está tratando dados pessoais, com qual finalidade específica esses dados estão sendo usados, se esse tratamento utiliza dados pessoais sensíveis, incluindo dados de saúde e condicionamento físico, além de dados bancários, históricos de navegação e de compras, sem transparência suficiente e hipótese legal que a ampare”, disse.

Lançado no dia 5 de julho no Brasil, o Threads já conta com mais de 115 milhões de usuários.

Compartilhe

Leia também

Ações clandestinas da ‘Abin paralela’ realçam violências reais

Ações clandestinas da ‘Abin paralela’ realçam violências reais

falsoIdosa foi presa por tráfico, não por participar dos atos golpistas do 8 de Janeiro

Idosa foi presa por tráfico, não por participar dos atos golpistas do 8 de Janeiro

falsoLula devolveu 423 presentes recebidos durante mandatos anteriores

Lula devolveu 423 presentes recebidos durante mandatos anteriores