Alimentos alcalinos não ajudam a prevenir ou tratar a Covid-19

Por Amanda Ribeiro

15 de abril de 2020, 19h25


Publicações que circulam nas redes sociais desinformam ao relacionar a ingestão de alimentos alcalinos (pH acima de 7) com a prevenção e o tratamento da Covid-19 (veja aqui). Além de não existir o estudo citado pelo texto, atribuído a um “Virology Center” de Moscou, na Rússia, autoridades sanitárias de todo o mundo e especialistas consultados por Aos Fatos afirmam que não há evidências de que hábitos alimentares sejam eficazes contra a doença.

A escala do pH mede quão ácida ou básica é uma substância e varia de 0 a 14. A água pura tem pH 7 (neutro), acima disso, as substâncias são alcalinas; abaixo, são ácidas.

No Brasil, desinformação sobre alimentos alcalinos circula no WhatsApp, onde foi enviada por leitores do Aos Fatos como sugestão de checagem (inscreva-se aqui). Há ainda reproduções do texto em publicações no Facebook que reúnem ao menos 500 compartilhamentos na tarde desta quarta-feira (15) e foram marcadas com o selo FALSO na ferramenta de verificação disponibilizada pela rede social (saiba como funciona).


FALSO

Boas notícias: Informações para todos, o COVID-19 é imune a organismos com um PH maior que 5,5.

VIROLOGY Center, Moscou, Rússia. Precisamos consumir mais alimentos alcalinos que nos ajudem a aumentar o nível de PH, para combater o vírus. Alguns dos quais são:

✓Limão .............. 9,9 PH ✓Abacate ....... 15,6 PH ✓Alho ................. 13,2PH ✓Manga ............. 8,7 PH ✓Tangerina ....... 8,0 PH ✓Abacaxi ............12,7PH ✓Laranja ........... 9.2 PH

Diferentemente do que afirma a mensagem que circula no WhatsApp e no Facebook, uma dieta baseada em alimentos alcalinos (com pH maior que 7) não ajuda a prevenir ou a tratar a infecção pelo novo coronavírus. O Aos Fatos também não encontrou o estudo citado pelo texto, atribuído a um “Virology Center” de Moscou, na Rússia. Autoridades sanitárias do Brasil e do mundo e especialistas consultados por Aos Fatos afirmam que não há evidências de que o vírus possa ser contido ou tratado por meio de uma dieta específica.

O estudo mais próximo ao citado pela peça de desinformação é uma pesquisa sobre o efeito do pH em um outro organismo da família dos coronavírus, o MHV4, publicada em 1991 pelo Journal of Virology, dos Estados Unidos. Ao analisar o comportamento do MV4, que causa hepatite em camundongos, em uma cultura de células desses animais, os pesquisadores concluíram que quando o pH é maior do que 5,5 haveria reação imunológica para barrar o vírus nos roedores. Além de sido feito apenas em um conjunto de células, não ter sido testado nos camundongos ou em humanos, o estudo não tem qualquer relação com o Sars-CoV-2, causador da atual pandemia.

O pH, ou Potencial Hidrogeniônico, é um índice que calcula a acidez ou a alcalinidade de determinado meio. Na escala de 0 a 14, as substâncias neutras têm pH 7, acima disso, as substâncias são alcalinas; baixo de 7, são ácidas.

Assim, é impossível, como sustenta a peça de desinformação, que o abacate tenha pH de 15,6, valor além do máximo da escala. Na verdade, segundo a FDA (Food and Drug Administration), agência reguladora de medicamentos e alimentos dos EUA, o fruto tem pH 6,59 e está categorizado entre os ácidos. O texto erra, ainda, ao citar os valores do limão (que varia entre 2 e 2,6), da manga (madura, fica entre 3,4 e 4,8), da tangerina (de 3,3 a 4,4), do abacaxi (3,2 a 4) e da laranja (entre 3 e 4,3, a depender da variedade). Já o pH do alho, descrito como de 13,2, é de 5,8. Ou seja, todos os alimentos citados na corrente são considerados ácidos, não alcalinos.

Contatado por Aos Fatos, o consultor da SBI (Sociedade Brasileira de Imunologia) Leonardo Weissmann ressaltou que “por enquanto, não temos nenhum alimento, vitamina, vacina ou medicamento que atue no combate à Covid-19”. O posicionamento é reforçado pela OMS (Organização Mundial da Saúde), que afirma que “as maneiras mais efetivas de proteger a si e aos outros contra a Covid-19 são lavar frequentemente as mãos, cobrir o nariz e a boca com lenço ou dobra do cotovelo ao tossir e manter distância de ao menos um metro de pessoas tossindo e espirrando”.

Publicações com a falsa alegação circularam em diversas línguas e foram checadas por agências do mundo todo: nos Estados Unidos, o Snopes e o Factly publicaram desmentidos sobre o assunto; em países africanos, o Africa Check; na Índia, o The Quint; na Espanha, a Maldito Bulo; na Bolívia, o Bolivia Verifica; e na Argentina, o Chequeado.

Referências:

1. Biblioteca Virtual em Saúde
2. Journal of Virology
3. Mundo Educação
4. FDA
5. OMS

Usamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concordará com estas condições.