Vídeos de canal bloqueado no YouTube por decisão do TSE seguem no ar

Por Ethel Rudnitzki

8 de novembro de 2022, 13h19

Vídeos de um canal bolsonarista no YouTube seguem no ar mesmo após o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) ter determinado a suspensão de redes do grupo. Como a decisão é sigilosa, apenas as partes do processo podem saber o escopo exato do que deve ser excluído.

Em nota ao Aos Fatos, o YouTube diz que “a ordem (…) do TSE era relativa ao bloqueio temporário do canal” e que “não podemos dividir mais informações, uma vez que o processo é confidencial”.

  • Desde a semana passada, a página inicial e sete vídeos do canal Coronel Koury Grupo B-38 estão indisponíveis para acesso por meio de IPs registrados no Brasil;
  • Porém, ainda é possível acessar os outros 89 vídeos postados pelo canal desde agosto de 2021;
  • Entre eles, pelo menos 50 contêm desinformação sobre o processo eleitoral ou ataques às instituições ou a opositores de Bolsonaro;
  • A maioria (33) defende uma suposta “contagem pública de votos” com base em argumentos falsos — como de que as urnas eletrônicas não são auditáveis ou que os votos são contabilizados em uma sala secreta do TSE.

Em um dos vídeos ainda disponíveis, o coronel da reserva da Aeronáutica Marcos Koury incentiva uma greve de caminhoneiros antes mesmo do segundo turno da eleição. A ideia seria que os motoristas pedissem a implementação do voto impresso por meio de Medida Provisória — ideia defendida pelo grupo desde 2021.

Os vídeos publicados após o segundo turno, entre eles um cujo título diz “na fraude não leva”, encontram-se indisponíveis no Brasil. Também estão indisponíveis dois vídeos publicados após as manifestações de 7 de Setembro deste ano.

Os conteúdos, no entanto, podem ser acessados por IPs estrangeiros e o canal segue produzindo vídeos mesmo após a punição, tendo feito quatro publicações nos últimos cinco dias, que conquistaram mais de 6.000 visualizações.

No sábado (5), o canal publicou vídeo sobre alegações falsas sobre as eleições brasileiras feitas por um grupo argentino.

Topo

Usamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concordará com estas condições.